20 de abril de 2024
Vinhos

Alguns vinhos icônicos – Champagne Cristal

Na coluna sobre o Romanée-Conti, um leitor fez o seguinte comentário:

“bebida é vinho, vinho é tinto …”

Ao que, outro leitor, retrucou:

“Vinho é tinto, mas é branco também, e como é …”

Polêmicas à parte, vinhos podem ser classificados pelas suas cores: tinto, branco, rosado, laranja, ou por seus estilos: tranquilos, espumantes, fortificados ou ainda pela quantidade de açúcar residual: seco, meio seco e doce…

Enfim, denominações não faltam, mas, o que não pode faltar é boa qualidade. Todos os vinhos “icônicos” já apresentados nesta série são, neste quesito, impecáveis!

O Champagne Cristal, é mais um destes ícones incontestáveis. Tem uma curiosa história.

Em 1876, o Tzar Alexander II da Rússia procura a Maison Louis Roederer e faz um pedido muito especial: queria uma cuvée de Champagne exclusiva, só ele poderia servir ou degustar.

Impôs algumas exigências:

– A garrafa deveria ser de cristal, absolutamente transparente o que, mais tarde, daria origem ao seu nome comercial. Isto permitia que o conteúdo fosse examinado antes do consumo. Ele temia ser envenenado;

– O fundo deveria ser chato, sem aquele indentação (punt), para evitar que explosivos fossem, ali, escondidos. (parece que assassinar Tzares era uma prática bem popular na época)

A Louis Roederer começou a elaborar um champagne que se tornaria mundialmente famoso e desejado.

Mesmo com o fim da monarquia russa (1917), a Maison Roederer manteve a sua produção. A comercialização para o resto do mundo iniciou em 1945, com a marca Cristal. Um produto super premium, voltado para as classes mais abastadas.

Sua elaboração é extremamente criteriosa, sendo produzido em safras especiais, apenas. Um corte de Pinot Noir e Chardonnay que fica maturando, sobre as borras, por seis anos. Após a degola (dégorgement), ainda repousa por outros oito meses antes de ser comercializado.

O manejo dos vinhedos, todos próprios e certificados como Grand Cru e biodinâmicos (desde 2012), não emprega meios mecânicos. Cavalos são usados para lavrar a terra. A idade mínima das vinhas gira em torno de vinte e cinco anos.

A luxuosa apresentação traz mais curiosidades sobre esta formidável bebida: o rótulo dourado é uma especial distinção, reservada para champagnes extraordinários, seguindo uma antiga regra (século XIX) que associava cor à qualidade.

O invólucro de celofane dourado não é só um luxo a mais. Foi projetado para proteger o líquido da ação dos raios UV, o que as garrafas escuras fazem naturalmente.

Por conta de sua pouca produção, 300 a 400 mil garrafas por ano, seu preço é considerado como muito elevado.

Custo no Brasil: R$ 4.000,00 a R$ 7.000,00 dependendo da safra.

A Maison Roederer produz, também, um Cristal Rosé.

Quem ainda concorda que “bebida é vinho, vinho é tinto …”?

Saúde e bons vinhos!

CRÉDITOS:

Champagne Louis Roederer Cristal 2006 Vintage” por Fareham Wine está licenciada sob CC BY 2.0.

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *