20 de julho de 2024
Colunistas Ricardo Noblat

Crise em família! Sofia brigou com Rebeca

Diário de Avô – Uma celebração à vida

Reprodução/Reprodução

Esta é uma edição extraordinária do Diário do Avô. Tratará da crise recém-instalada no âmbito da minha família depois do primeiro fim de semana que Luana ficou entregue aos meus e aos cuidados de Rebeca enquanto os seus pais desfrutavam de merecido repouso no Rio de Janeiro.
O reencontro dos pais com Luana, na manhã da segunda-feira, foi empolgante – para eles. Dormindo estava, dormindo continuei. Sofia e Vitor estão convencidos de que Luana os reconheceu de imediato. Joana, testemunha ocular da história, conta que Luana sorriu e abraçou a mãe.
Nada mais natural. Luana é uma menina simpática, sorridente, que abraça qualquer pessoa que se ofereça para carregá-la. Ou melhor: Luana era uma menina simpática e sorridente. Porque no dizer da mãe, que travou áspero diálogo com Rebeca, Luana se tornou uma criança insuportável. In-su-por-tá-vel!!!
– Em apenas três dias você conseguiram estragar Luana – disse Sofia por telefone a Rebeca.
– Estragar? Estragar como, minha filha?
– Há mais de sete meses que me dedico exclusivamente a educar Luana. Parei de trabalhar. Quase não saio de casa. E para quê? Para na primeira oportunidade vocês porem tudo a perder…
– Mas o que foi que fizemos?
– O que foi? O que foi? Luana agora só quer colo. Ela gostava de ficar no chão e eu a estimulava a engatinhar. Não fica mais. Vai ver que nem aprenderá a engatinhar.
– Mas nós pusemos Luana no chão. Seu pai fez fotos dela no chão. Se você não acredita posso lhe mostrar as fotos. Até saiu uma no blog dele.
– Puseram nada… Quando eu tento pôr ela trava as pernas, teima em se manter de pé ou se joga para trás chorando.
– Mas isso ela fazia também com a gente. Então seu pai falava sério com ela e ela acabava sentando. Ou ficava de barriga para baixo.
– Pois não fica mais. E também não come mais direito.
– Não come? – perguntou Rebeca.
– Não come. Aliás, mãe, você criou seus filhos muito mal.
– Inclusive você?
– Eu também. Você e minha avó sempre fizeram as vontades dos filhos. É por isso que Gustavo não tem hora certa para comer e só come porcaria. E eu tenho essa mania de ser magra.
– Luana não está magra. Pelo contrário.
– Mas você não deu a carne desfiada que ela tinha começado a comer todo dia. Não deu.
– Só não dei um dia. Troquei por frango desfiado.
– Está vendo? Está vendo? Bem que Joana me disse…
– E qual é o problema? Carne desfiada e frango desfiado dão no mesmo.
– Não dão. E você fez tudo o que ela come como se tudo fosse papinha. Como ela vai aprender a mastigar?
– Mas minha filha, o único dente de Luana ainda nem apareceu direito. A gente só sabe que existe quando passa o dedo na gengiva dela.
– Não importa. O dente está ali para começar a ser usado.
– Não jogue a culpa em mim, Sofia. A pediatra disse que ela devia comer papinha com pedacinhos de frutas e você ainda não pôs pedacinhos de frutas na papinha – devolveu Rebeca.
– Não pus porque a pediatra ainda não disse de que tamanho devem ser esses pedacinhos.
– Que outro mal fizemos a Luana? Vá, diga.
– Ela me ouvia com atenção, me obedecia, mas agora eu falo, explico as coisas e ela não liga. E deu para puxar o cabelo quando está com raiva.
– Que cabelo, Sofia? Ela ainda não tem bastante cabelo para puxar.
– Pois deu para puxar o pouco cabelo que tem. Antes não fazia isso.
– Relaxe, minha filha. Luana está crescendo. E começa a ter vontade própria. Você não disse que estava criando sua filha para que ela fosse independente?
– Quando crescer, mãe, quando crescer. Ela não pode ser independente desde já.
– Fique calma, Sofia. Em tudo se dá um jeito.
– Eu sei o jeito que vou dar. Luana só ficará com vocês quando eu puder ficar junto com ela.
– E sua viagem em dezembro para Fernando de Noronha? Você vai levar Luana?
– Não. Eu já cancelei a viagem.
Com Joana, que ajudou a criá-la e também a André e Gustavo, Sofia rompeu relações. Ela conversava com Joana ao telefone sobre repetidas provas de rebeldia de Luana quando disse assim:
– Luana está nervosa, dando piti por qualquer coisa.
Joana comentou brincando:
– Deve ser porque é fim de mês e ela está cheia de contas pra pagar.
Sofia bateu o telefone na cara de Joana.
À noite, Rebeca entrou aqui em casa furiosa. “Sua filha é uma tirana. Uma tirana”.
– Sua? Nossa – limitei-me a observar.
Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *