30 de maio de 2024
Yvonne Dimanche

Periguetes


Queridos leitores, passei pelo dissabor de ouvir de um motorista de táxi do Rio o quanto ele está decepcionado com a mulher brasileira. Com toda elegância e sensibilidade, com palavras gentis que não pudessem me deixar constrangida, ele falou exatamente o que penso. As mulheres estão perdendo a compostura.
Ah, deem um tempo, mas fui adolescente no finalzinho dos maravilhosos anos 60 para início dos 70 e mesmo com toda a liberdade sexual que a geração anterior à minha lutou pelos nossos direitos, eu nunca vi tanta mulher vagabunda.
Agora a mulherada trepa com todo mundo, ainda dá nota e diz o que cada um tem de mais interessante. “Eu dou a bunda”, “eu gozo só de tomar banho”, “meu namorado conhece o meu ponto G e ainda lambe”.
Por favor, “MENAS”. O único babaca-celebridade que eu conheço é o garotão da Luana Piovani que tira fotos da mulher na intimidade e posta no Instagram. Meu Deus do Céu! Isso para mim daria uma separação litigiosa. Eu não vejo homem algum contando o que faz ou deixa de fazer na cama, só as mulheres.
Eu pelo menos tenho o alento de ver as meninas da minha vida que muito me enchem de orgulho e que não vieram ao mundo a passeio. São elas que me fazem acreditar que nem tudo está perdido.
Meninas, barriga negativa, bunda e peitos siliconados não levam a lugar algum. Na minha época as meninas também transavam E MUITO, mas isso era um assunto de foro íntimo e não havia necessidade de espalhar para todo mundo, como acontece agora com as subcelebridades.
Já estou me tornando repetitiva demais, mas não consigo me conformar. Sejam elegantes. Sejam ladies no dia a dia e devassas apenas na cama, e com homens especiais que valham a pena, nem que seja por uma única noite.
E não se esqueçam de uma coisa: “ainda somos e vivemos como os nossos pais”, diria Belchior. Os homens ainda têm aquela ideia de que “essa é pra casar”, tá legal?
Abraços machistas ao extremo. Eu assumo.
Um lindo final de semana para todos e até o próximo Boletim.
Coluna publicada em 07/11/2014

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *