20 de abril de 2024
Colunistas Marli Gonçalves

Cosmopolitas. E apavorados

O conceito de que somos cosmopolitas, digamos, precisa ser aberto considerando sua definição oficial. “Cidadão do Mundo”, aqueles que acreditam ser o mundo todo a sua pátria e mais uma série de patacoadas bonitas, sobre pessoas que viajam muito e se adaptam às diferentes culturas e modos de vida. Conceitos filosóficos que buscam nos igualar no mundo globalizado, o que é quase impossível com tantas e reais diferenças nesse momento tão estranho.

Cosmopolitas ou não, se realmente todos nos conectássemos nesse belo sonho de união e convivência o que ouviríamos assustados seriam gritos lancinantes de socorro, porque parece que o freio se soltou de vez e a violência de humanos contra humanos pelos mais variados motivos saiu do controle faz tempo, levando junto o bom senso, os princípios humanitários. E todo esse amor, paz, igualdade, fraternidade e união propostos em larga escala especialmente nessa época do ano se desfaz no ar. Vira fumacinha de um noite de verão que se aproxima, mas que já nos ferve.

Então estamos todos bem assustados? Pena que a verdade seja que nem todos – há os que vêm se vangloriando e cada vez mais crescendo para cima da liberdade, em nome da economia, da riqueza, do poder. Uma guerra não acaba e logo vem outra, se somando sanguinária. Nem bem se fala em um assunto e chega agora mais receio ainda de malucos invadindo territórios aqui bem pertinho, e buscando envolver até quem está quietinho em casa. Sobra pra todo o mundo, isso sim.

Cadê a reação? Otimista que sou, a mim parece próxima quando cada vez ouço as pessoas dizendo que não aguentam mais tanta violência, tanta guerra, matanças, tentando fugir dos noticiários de todas as formas, buscando quase se isolar. Penso que foi exatamente assim que surgiram os movimentos do final dos Anos 60. O “paz e amor”, os hippies, Aquarius, os movimentos de libertação de tudo, o amor livre. Colorido que se espalhou e com extraordinários acontecimentos, artistas, líderes, obras que sobrevivem, marcantes. Ali era muita guerra, e uma juventude ávida pela vida. Buscavam a luz, a alegria, cantavam e dançavam como se vivessem os últimos momentos, mas foi só assim que sobreviveram em seus protestos. O problema é que hoje parece que essa geração envelheceu e esqueceu suas propostas, talvez por medo que agora elas possam se sobrepor ao que obtiveram. Não é por menos que também tanto ouvimos novamente falar de lutas por direitos civis, feminismo, contra o racismo, e pela identidade de gênero, além dos alarmes de emergência climática. Movimentos que sobrevivem, mas novamente abafados por violências também sem igual que os classifica até como terroristas, como fez a Rússia.

A coisa mais globalizada que vivemos recentemente foi a pandemia, o horror do qual surgiram cenários antes inimagináveis, e ainda mais mortais. Autoridades e chefes de Estado fazendo de seus povos cobaias ou os jogando no fogo com suas inações e declarações estapafúrdias e negacionistas. Juntos já eram um prenúncio da ascensão novamente de ideias perigosas, primitivas, reacionárias, racistas, de dominação social, religiosa, econômica. Tentam apagar as conquistas tão duramente obtidas no século passado.

Para tanto usam com sucesso a mais moderna das ferramentas, a tecnologia digital, veias abertas onde correm suas intenções e contaminam, para grande tristeza, as gerações atuais que desatentas e despreocupadas buscam ali alimentos e saem envenenadas. E envenenando.

Por aqui, sempre não tomamos providências quando elas deveriam ter sido tomadas, e não cortamos o mal pela raiz. Então, depois, assistimos abismados ao crescimento das ervas daninhas nos provocando em todos os fronts e se fortalecendo bem debaixo de nossos pés, aqueles mesmos que como cosmopolitas batemos no peito dizendo “minha pátria são meus pés”.

Marli Gonçalves

Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *