17 de abril de 2024
Colunistas Junia Turra

O Natal e a saudade

No Natal dá aquela saudade das pessoas que nós amamos e não estão mais aqui.

Dá sim!

Em algum momento a estrela cadente bate no calcanhar de Aquiles e vem aquela pontada que enche os olhos e aperta a garganta. Não, mas não vale nem chorar no cantinho, escondido. Não vale, não!

Natal não é tristeza, é alegria.

Uma vez peguei os filhos pequenos de uma amiga que “seguiu viagem”.

Fomos passear, e o filho mais novo disse: “ah, você falou igual à minha mãe. O seu sorriso, é igual ao dela”.

Deu um longo suspiro e disse: “já pedi para a minha irmã ligar lá no céu, mas ela disse que lá não tem conexão, nem telefone normal. Eu estou com saudades demais”.

E continuou: “você sabe se eles recebem carta? Você pode escrever pra mim e pedir para ela me responder?”

Eles não têm correio, não do jeito que nós temos. É tudo diferente, outro sistema, respondi. Mas se você fechar os olhos e pensar na sua mãe, vai sentir uma coisa boa como se ela te desse um abraço bem apertado.

Ele me deu a mão e abriu um sorriso enorme.

“Posso pedir duas bolas de sorvete?”

Pode, eu também quero duas…

É é assim que tem que ser…

Se a gente pudesse, ligava para o céu pra dizer Feliz Natal a quem não podemos mais abraçar apertado, nem beijar, nem ouvir a voz que ecoa dentro de nós. Só em pensamento!

Não, não vale ficar triste e não fazer cara de choro.

Eles estão em nós e nós, neles. Há amor, e amor é vida! A vida é eterna. E parte do que parte fica e parte do que fic, vai. Até o dia em que seremos inteiros novamente.

Vamos celebrar a vida daquele(a) que nos ensinou exatamente isto.

Natal é renovar esperanças. É reunir forças.

É reafirmar o caminho do bem. E seguir adiante…

Junia Turra

Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *