14 de abril de 2024
Colunistas JR Guzzo

Governo Lula quer brasileiros sem água nem esgoto, dependendo de carro-pipa

Marco Legal do Saneamento estabelecia meta de ter 99% da população atendida com rede de água e 90% com esgoto até 2033.
Foto: Jonathan Campos/Arquivo/Gazeta do Povo

“Rico não gosta de construir esgoto”, disse Lula durante a sua campanha eleitoral, junto com a promessa do Bolsa-picanha, a convicção de que policial não é “ser humano” e outras coisas desse nível. De todas as mentiras que disse desde que saiu da cadeia, por um decreto do STF que até hoje não o absolveu de nenhum dos crimes a que foi condenado, essa é com certeza uma das mais desonestas.

É desonesta porque joga em cima dos “ricos”, que não têm nada a ver com isso, a culpa por uma tragédia pela qual os únicos culpados são justamente ele próprio, Lula, e as forças do atraso das quais ele é o maior ídolo neste país – a cada eleição, há 40 anos, elas jogam todos os seus imensos recursos para que continue a mandar no Brasil, junto com o PT e o resto do seu Sistema. É uma culpa direta, exclusiva e indiscutível.

No mundo das realidades, a anulação efetiva da lei do saneamento é uma garantia de que não vai haver esgoto nenhum.

O presidente acaba de provar isso mais uma vez: destruiu, com a sua assinatura num pedaço de papel, a nova lei do saneamento que o Congresso Nacional tinha aprovado. Em vigor desde 2020, a lei começava, enfim, a permitir que o Brasil eliminasse um dos seus escândalos mais ofensivos – a falta de esgotos e água encanada. Não há discussão possível diante dos números. Nada menos que 100 milhões de brasileiros vivem até hoje, em pleno 2023 da Era Cristã, sem rede de esgotos; outros 35 milhões não têm sequer água potável em suas casas.

O novo marco do saneamento, aprovado após anos a fio de discussão, permite que as empresas privadas entrem no setor e construam o que o “Estado”, que até há pouco tinha o monopólio sobre essa atividade, comprovadamente não construiu durante mais de um século. Os efeitos revolucionários da nova lei foram imediatos. Em pouco mais de dois anos, só dois anos, as empresas privadas investiram 80 bilhões de reais na construção de novas redes, em 240 cidades. Lula, em sua canetada, acabou com isso: para todos os efeitos práticos, está expulsando a iniciativa privada da área e mantendo tudo na situação de calamidade que havia até agora, na qual só as empresas estatais podem operar – elas, os seus empregos de marajá e os negócios que permitem para os políticos que as controlam.

Sem a miséria Lula não respira; vai fazer tudo, sempre, para que continue a existir no Brasil o seu estoque particular de miseráveis.

A decisão não é apenas mais uma prova cabal da incompetência sistemática do Sistema Lula-PT em tudo aquilo em que põe a mão – é um ato deliberado de fraude e de apoio intransigente ao retrocesso. Naturalmente, veio cercado da hipocrisia sem limites que marca todas as ações do governo Lula. Não proíbe que as empresas privadas atuem no saneamento básico, mas permite que as estatais que hoje são proprietárias exclusivas de quase todo o setor continuem exatamente como estão, sem a obrigação de submeter-se à licitação pública e sem qualquer tipo de compromisso real com a população.

É escalar a sociedade para o papel de palhaço: na prática, com essas condições, qual empresa privada vai colocar dinheiro na atividade? Não faz nexo – não se uma estatal qualquer pode acabar na hora com o seu negócio. No mundo das realidades, a anulação efetiva da lei do saneamento é uma garantia de que não vai haver esgoto nenhum, e o que houver vai ser roubado.

Constatações desse tipo deixam a esquerda espumando de ira neurastênica. Mas o que se vai fazer? São as estatais que têm de construir as redes de saneamento, pois ninguém mais esteve autorizado a fazer isso nos últimos 100 anos. Durante este tempo todo, é óbvio que não fizeram o que tinham de fazer – se tivessem feito, por que metade da população deste país continua sem esgotos? A culpa é unicamente das estatais, e de quem manda nelas e as trata como propriedade particular, para todos os efeitos concretos – a elite escravocrata que apoia Lula e o PT com tanta paixão, e que trabalha sistematicamente para ambos a cada eleição. De quem seria, se não fosse delas?

O que o governo atual quer é uma coisa só, e muito simples: quer que os brasileiros continuem sem água e esgoto, para continuarem na dependência do carro-pipa, das esmolas e da tirania dos que governam o Brasil do atraso. É daí que vêm os votos essenciais para a sobrevivência de Lula. Sem a miséria ele não respira; vai fazer tudo, sempre, para que continue a existir no Brasil o seu estoque particular de miseráveis.

Fonte: Gazeta do Povo

J.R Guzzo

José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

author
José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *