Uber sem motorista: menos seguro que Volvo de fábrica?

Volvo com direção autônoma da Uber

Na noite do último domingo, na cidade de Tempe, Arizona, nos EUA, uma mulher que cruzava uma avenida empurrando sua bicicleta foi atropelada por uma grande SUV e morreu. Elaine Herzberg, de 49 anos, teve a terrível primazia de ser a primeira pedestre no mundo a ser vítima de um carro autônomo. Rodando dentro de um programa experimental patrocinado pela Uber, o carro – um Volvo XC 90 adaptado semelhante ao da foto – levava um motorista “de segurança” sentado ao volante. Mas ele estava distraído no momento do acidente e nada fez para impedi-lo. O carro viajava a uma velocidade de 40 milhas por hora (pouco menos de 65 km/h), abaixo das 45 milhas por hora (72,4 km/h) máximos permitidos para o local.
Dois vídeos do acidente foram gravados por câmeras de dentro e de fora do carro e foram postados pelo jornal americano The New York Times (são impressionantes). Num deles é possível notar que o motorista humano que deveria estar atento para atuar em casos inesperados estava olhando para baixo e sem as mãos no volante – pudera, deve ser mesmo difícil se manter alerta sem precisar atuar nos comandos do carro. E também dá para perceber que o carro não detectou o perigo nem freou antes de atingir a pobre senhora – e isso significa que seus sistemas autônomos também estavam “distraídos”, quer dizer, no mínimo não funcionaram direito.
O interessante é que esse tipo de sistema de autodetecção de pedestres e frenagem automática já é fornecido pela própria Volvo em versões de série do modelo XC-90, como você pode ver neste vídeo aqui:

E, a confiar no que é demonstrado pela marca sueca e no aque aparece nos vídeos do acidente, parece bem provável que, se em vez da traquitana do modelo experimental da Uber, o carro estivesse funcionando com os equipamentos “de fábrica”, hoje a pedestre estivesse sã e salva.
Digo isso porque, pelo menos por enquanto, me parece que essa pressa toda em ter carros totalmente autônomos em circulação está mais ligada aos possíveis lucros mais polpudos que as empresas poderão ter com frotas que funcionarão sem mão de obra – e sem despesas com a remuneração dos profissionais – do que propriamente com a segurança. No que diz respeito a esta, montadoras como a própria Volvo já rodam bem mais adiantadas.
Se todos os táxis tivessem que ser obrigatoriamente equipados com sistemas de frenagem automática de emergência assim, certamente o número de acidentes seria reduzido, sem a necessidade de deixar sem trabalho milhares ou milhões de pessoas. E, pelo menos por enquanto, a segurança de todos nós seria de fato aumentada.
Posso ser (e sou mesmo) meio antiquado, mas acho que o mundo deve pertencer às pessoas e à elas a sociedade deve dar prioridade. Acho fantástico que desenvolvamos maquinas práticas, seguras e eficientes; mas são elas que devem ter seu funcionamento adaptado ao modo de vida, hábitos e possibilidades das pessoas, sempre em seu benefício, e não o contrário.
Fonte: Blog Rebimboca

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *