5 de março de 2024
Adriano de Aquino Colunistas

Desafios Históricos/ Problemas sociais & Protelações demagógicas ou…

‘A solução Brasileira'(sic)

Financiar o Porto de Mariel (Cuba), Hidrelétrica de San Francisco (Equador), Hidrelétrica Manduriacu (Equador), Hidroelétrica de Chaglla (Peru, )Metrô Cidade do Panamá (Panamá), Autopista Madden-Colón (Panamá), Aqueduto de Chaco (Argentina), Linhas 3 e 4 do Metrô de Caracas (Venezuela), Barragem de Moamba Major (Moçambique), Aeroporto de Nacala (Moçambique), BRT da capital Maputo (Moçambique), Hidrelétrica de Tumarín (Nicarágua), Projeto Hacia el Norte – Rurrenabaque-El-Chorro (Bolívia) e outras obras magnificas realizadas no exterior , todas de grande expressão econômica e humanitária, financiadas pelo povo brasileiro, através da agenda política de ‘inserção’ internacional dos governos petistas.

Política que se converteu em efetiva melhoria econômica para o povo. Foi uma peça chave no combate à desigualdade social, elevação da renda popular, consolidação da base para a mobilidade social, apoio às minorias, educação pública gratuita de excelência, elevação do IDH e da qualidade de vida de todos os brasileiros. Né mesmo?

Realmente, essa vertente Ideológica é muito atraente para a formação da consciência cidadã dos brasileiros letrados e bem de vida,comprometidos com a ética, o zelo com a coisa pública, as garantias democráticas e a projeção da esperança nos vigorosos avanços sociais consolidados nos últimos 20 anos. Votar no líder e nos membros dos partidos da coligação é confirmar o retorno aos ‘bons tempos’.

Print da TL Realidade Simulada

Eis aqui, a famosa Favela da Rocinha, RJ!

Foto: Drone Leo

Favela mais populosa da Brasil, se fosse uma cidade, seria maior que 92% dos municípios brasileiros.

Adriano de Aquino

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *