Chernobyl no fundo do oceano

Não bastasse o descontrole e irresponsabilidade  do governo chinês na propagação de vírus letal, o mundo está ameaçado por um fenômeno que podemos chamar de ‘Chernobyl Mobile’.
A Rússia é uma das maiores produtoras de sucatas de tecnologia nuclear de alto risco para a vida no planeta.

Os dois casos – juntos e misturados – convergem para uma pergunta que não cala:

Por que uma ativista sueca adolescente,que se tornou eco star da mídia ocidental apontando problemas ambientais à milhares de quilômetros de distância da Suécia, incentivando  boicote aos produtos agrícolas do Brasil, não parece se preocupar com a proximidade do seu país ao Círculo Polar Ártico, onde adormecem -ameaçadoramente – toneladas de resíduos nucleares latentes?

“Um estudo de 2019 feito por um consórcio incluindo a empresa britânica de segurança nuclear Nuvia encontrou 18 mil objetos radioativos no oceano Ártico, entre eles 19 embarcações e 14 reatores.Embora a radiação emitida pela maioria desses objetos tenha se aproximado dos níveis mais baixos graças ao acúmulo de lodo, o estudo descobriu que mil deles ainda têm níveis elevados de radiação gama penetrante.”

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *