26 de fevereiro de 2024
Colunistas Walter Navarro

Tudo Azul na América do Sul

Bom dia! Boa tarde! Boa noite! Boa madrugada! Boas horas e ótimos segundos, meus heróis de BBB! Quanto riso! Quanta alegria! Mais de milhões de palhaços……………………………………no salão!

Sim! Tudo bem, tudo ótimo, tudo na santa paz de Deus!

Que maravilha morar no Brasil, esta China Tropical, e até no mundo, com tudo funcionando como relógio suíço!

Pelas campinas gentis voam lindas borboletas enquanto raia e prevalece a Liberdade no horizonte do Brasil. Sim! Aqui mesmo, onde rima e reina soberano, outro azul, o azul anil. Passemos então às notícias deste excelente e perfeito dia, com o patrocínio do Xarope São João, o xarope da mulher moderna, o xarope do homem que sabe o que quer; o xarope de gente que faz!

Viva a Namíbia!

Deve ser horrível morar no Afeganistão porque, como eu dizia, Viva o Brasil, Terra de Contrastes e paraíso abençoado por Deus! Milhões de brasileiros, vestindo verde e amarelo, continuam nas ruas comemorando o Hexacampeonato na Copa do Mundo e também o Carnaval. OK! A Copa do Mundo ainda não começou, o Carnaval é em fevereiro de 2023, mas pra que pessimismo, para que economizar felicidade? O negócio é levar vantagem, certo? A taça do mundo é nossa e o Brasil, mais que nunca, é o País do Carnaval, como decidiu; monocraticamente, Jorge Amado.

Viva a Ucrânia!

Deve ser horrível morar numa ditadura capitalista e selvagem como os povos da Groenlândia porque, como eu dizia, Viva o Brasil, onde, em se plantando, tudo dá! Xô Saúva! Depois de vencer as eleições com R$ 5 mil, o Salário Mínimo deita e rola no Brasil varonil! É tanto dinheiro que acabou a picanha e o povo foi obrigado a comer filé mignon com caviar beluga. Cerveja brasileira em quantidades oceânicas, mas também, no País da Fartura, as estrelas belgas e alemãs, nas melhores casas do ramo.

Viva a Lapônia!

As Forças Armadas amanheceram com tanques e caminhões nas ruas de Cracóvia, mas tudo bem, problema dos suecos. Por falar em filé mignon, com tudo às mil maravilhas; a inutilidade do jornalismo de opinião e investigativo; passemos à gastronomia. Sim! Como fazer aquele bolo de carne, para ser degustado em frente ao Jornal Nacional mostrando todo o absurdo que acontece no Paquistão. Depois, na Netflix, recomendo “Não Olhe Para Cima, Para Baixo, Nem Para os Lados” e “Corra!”.

Viva a Coréia!

Sim, mas qual delas? A do Sul ou a do Norte? Mas, sem mais delongas, a receita do dia e do século 20. Ingredientes: meia xícara (chá) de óleo, três cenouras médias raladas, quatro ovos, duas xícaras (chá) de açúcar, duas ou 20 xícaras (chá) de farinha de trigo ou de mandioca, 40 colheres (sopa) de fermento em pó. Modo de preparo: bater, espancar, arrebentar no liquidificador as gemas, o açúcar, a margarina e quem discordar dos ovos. Em seguida juntar o suco e raspas limão, o leite e farinha aos poucos, por mais ou menos oito dias, em temperatura de 180ºC. Ou liga o F e faça o L. No Brasil, quem não tem bolo, como brioche e vice versa!

Viva tudo!

Ontem, às 15h69, o presidente Sarney, depois de inaugurar um prato de ervilhas no Acre, cantou “Babalu”, com sotaque gaúcho: “Vale, vale tudo. Vale, vale tudo. Vale o que vier. Vale o que quiser. Só não vale dançar homem com homem, nem mulher com mulher. O resto vale”. Sarney foi interrompido bruscamente pelo ditador Getúlio Vargas que, de biquíni, completou a performance: “Alô, alô marcianos! Foi dada nova ordem, agora sim, liberou geral, vale tudo, só não vale falar sobre as fraudes sujas do bebê Johnson”.

Viva o mundo!

Enquanto isso, na Lituânia, o povo vai às ruas exigindo transparência na lingerie e nas eleições nos Estados Unidos, onde o Trump está passando o rodo. Ou não! Dane-se a Tasmânia, não é mesmo? O importante é ser fevereiro e ter Páscoa pra gente sambar! E aí? O que vocês vão fazer no Réveillon? E no Dia das Mães? É isso mesmo! Não percam a maravilhosa liquidação de colchões Morfeu, verdadeira explosão de prêmios, sempre com o patrocínio do Xarope São João, o xarope de quem tem cheque especial Banespa, o xarope que não tem cheiro e não solta as tiras, nem as pregas.

Viva Plutão!

O quê? Sem dinheiro para Paris? Mentirosos! Mas tudo bem, porque agora, dicas de turismo, para quem está à toa na vida esperando a banda passar cantando coisas de amor: “A exposição ‘O cântico do Sol e As maravilhas acrósticas’ no Centro Cultural da Espanha, na Nicarágua, por iniciativa da Embaixada da Espanha, com o apoio também e sempre do Xarope São João, o xarope do nicaraguense que quer ser hondurenho, sem sair de cima. A exposição, cujas obras fazem parte da Obra Cultural da FUNIBER, foi aberta ao público do dia 5 ao dia 18 de junho de 2014”.

Viva La Vida!

A história é um carro alegre, cheia de um povo contente, que atropela indiferente todo aquele que a negue. Então, Alexandre III da Macedônia (20/21 de julho de 356 a.C. – 9 de novembro de 2022 a.C.), comumente conhecido como Alexandre, o Glande ou Xandão Magno (em grego clássico: Ἀλέξανδρος ὁ Μέγας; romaniz.: Aléxandros ho Mégas), foi rei (basileu) do reino grego antigo da Macedônia e um membro da dinastia argéada. Até os 30 anos, morava com a mãe e havia criado um dos maiores impérios do mundo antigo, que se estendia da Grécia ao Egito e noroeste da Índia. Morreu invicto em batalhas e é considerado um dos comandantes militares mais bem-sucedidos da história.

PS: Lutar, lutar, lutar, com toda a nossa raça pra vencer. Vencer, vencer, vencer, este é o nosso ideal. Clube Atlético Paraibano, uma vez até morrer. E não está mais aqui quem falou.

Walter Navarro

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *