O Sapão comedor de pererecas


Vejam só a que ponto nós chegamos e, óbvio, onde sempre estivemos! Vejam a ilustração desta crônica: “Vereador de BH negocia vagas em troca de sexo”. Favores sexuais! Maravilha, por isso o serviço público anda e funciona nas coxas… Este cara é meu novo ídolo.
Esta história picante, cabeluda ou raspadinha, lembrou-me aquela antiga piada do Juca Chaves, sobre o famoso teste do sofá. A menina, atriz iniciante, queria uma chance na novela das nove da Globo. Nervosa, ela grita no estúdio:
– Porra! Me fala logo quem manda nesta merda que estou cansada de dar pro diretor errado.
O vereador de BH transformou o teste do sofá em teste de urna. O cara só quer botar na urna das funcionárias. Que figura! Que cara de pau! Ele tinha que ser do PT… Mas é do PSB. Base aliada?
E o jornal O TEMPO, que tanto horrorizava com meu vocabulário, quando eu era um de seus cronistas, colocou na capa uma das cantadas do vereador: “Sua bunda é a mais bela e eleita perfeita…”.
O cara é direto, nada daquelas cantadas de antanho: “Moras no bairro?”.
Alexandre Gomes é o nome da criança… Tem sobrenome de personagem de Nelson Rodrigues; Meirelles, Palhares, Bezerra, Gusmão. É o pegador, o comedor, o fodão da Câmara Municipal.
O Movimento Machão Mineiro deveria coroá-lo como personagem do ano!
Mas sou obrigado, infelizmente, a fazer uma pequena correção. Ele não é o Sapão do título. Explico: Na matéria, página 3 de Política, tem uma foto do tarado vereador. Atrás dele, o painel eletrônico mostrava um nome; Wellington Bessa – Sapão – PSB; misturei tudo, daí a confusão, sorry Sapão, mas o título vai ficar.
A legenda da foto é outra pérola: “Libido. Enquanto conversa sobre sexo nas redes sociais, vereador diz que está presidindo a sessão”. É meu farol! Nota 10. Ele é muito bom; come, passa o rodo, mas arruma emprego para as gostosas sem porvir. Deve ser por isso que o PT encheu Brasília de funcionários e funcionárias. Ajoelhou tem que chupar e ainda pagar o dízimo em boquete…
Senão vejamos outros diálogos do Taradão da Câmara Municipal: “Queria te beijar. E amanhã? Vai na Câmara à tarde?”.
Fantástico, a vítima deve ser tipo Bela da Tarde!
E olha esta vagaba, provando que o vereador não come sozinho:
Ela: Tem uma vaga pra mim na Câmara?
Ele: Agora (babando, imagino)
Ela: Faço café, tiro Xerox, e vou trabalhar de minissaia (O café deve ser coado na calcinha)
Ele: É?
Ela: É. Me contrata? Estou procurando emprego (Emprego é ótimo…)
Ele: Minissaia? Sem calcinha?
Ela: Sim. Também. Quando começo? (Tão vendo? Não usa calcinha porque tá suja de pó de café, a porra do café, melhor, a borra do café)
Ele: Agora.
E esta aqui, enquanto ele “presidia” reunião no plenário? “Louco para te ouvir, beijar, abraçar, envolver. Te encher de prazeres”. Encher de prazeres… Borbulhas de amor, este cara é um clássico, é de matar Wando de inveja.
Vou falar com o presidente Léo Burguês e pedir um rolezinho pelos gabinetes da Câmara pra sentir aquele cheiro libidinoso e libertino de calcinhas no ar.
Será que toda funcionária da Câmara passou pelo lascivo Gomes? Eu não gostaria que minha mãe ou namorada trabalhasse num lugar daqueles…
PS: E como é que o Gomes deve pedir votos?

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *