Mulheres de Antenas!

Clara Zetkin a ativista q criou o dia da mulher

Na semana em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher, duas em particular mereceram destaque nas mídias.
Uma foi uma recepcionista sem nome e sem fama que deu uma resposta ao filho do Sérgio Cabral, que merece troféu. O Deputado Federal Marco Antônio Cabral, filho do presidiário mais badalado de Bangu, queria, porque queria, entrar num camarote da Sapucaí sem a pulseira de identificação, com dois amigos a tiracolo. Foi expulso uma vez, e na segunda vez veio com o velho bordão dos pilantras que gostam de levar vantagem em tudo: “você sabe com quem está falando”? Aí recebeu a resposta que merecia: “Sei! E você não tem condição moral de achar que manda aqui alguma coisa”.
Quando li essa notícia me lembrei imediatamente daquele antigo anúncio de leite com crianças vestidas de bichinhos. Uma delas pergunta pra outra: “tomou”?
O outro destaque do Dia da Mulher ficou para a Senadora Gleisi Hoffmann, que um dia antes, usou o plenário do Senado para convocar greve geral da mulherada. Solicitou que suas colegas não aprovassem nenhuma lei naquele dia e que as outras deixassem de fazer seus afazeres domésticos e sexo!
Ora, Senadora, em que isso mudaria a vida das brasileiras? Se elas deixarem de cuidar da casa um dia, no dia seguinte vai ser um deus-nos-acuda. Vão ter de levantar mais cedo pra dar conta do serviço que ficou pra trás e ainda por cima, infelizes!
Aproveitando as manifestações por direitos iguais garantidos pela constituição de 1988, o governo insiste em aprovar a reforma da previdência dando o mesmo “direito” às mulheres de se aposentarem aos 65 anos, tal qual os homens.
Seu Temer, é o seguinte: todas nós mulheres queremos ter os mesmos direitos que os homens, mas no sentido de ter os mesmos salários, as mesmas condições de trabalho, o mesmo respeito, etecetera e tal, mas no caso da aposentadoria, o senhor tem de levar em consideração que a mulher que pariu, que criou seus filhos, que lavou, passou e cozinhou nos intervalos de seu trabalho fora de casa, ou seja , depois do expediente, quando chegar aos 65, vai estar esbodegada e sem chance de poder usufruir do benefício da aposentadoria. (Eles insistem em chamar essa merreca de benefício). A não ser que seja essa a intenção. Aí então a proposta das novas regras para a previdência está indo no caminho certo.
Na ala internacional feminina, quem tem aparecido com força como candidata à presidência da República, é a Trump de saias Dior, Marine Le Pen, que vem com ideias arraigadas  e prometendo tirar a França da União Europeia, vivendo sem refugiados e com recursos próprios. Quem sou eu pra dar pitacos na Economia Internacional, mas esse negócio não sei não! Me lembro que da última vez que tive de carregar Francos em viagem, precisei de uma bolsa maior. Já as libras esterlinas cabiam num porta-níqueis.
E contando com o apoio do pai, o fundador do Partido Nacionalista Francês, e autor da frase “o massacre dos judeus foi apenas um detalhe”, Marine está com 25% das intenções de votos e é uma forte candidata para ir para o segundo turno.
E ainda sobre a mulher, “tô garrano reiva” dessas candidatas que aparecem na TV fazendo suas campanhas baseadas no hit da moda “empoderamento da mulher”. Tem coisa mais antipática?
As mulheres não precisam de jargões da moda, candidatas! Apenas mostrem suas capacidades. É esse o caminho para o voto.
Tirando tudo isso, apesar de já ter passado da data, parabéns mulherada antenada que trabalha, que vive, que faz sexo, que vota, que discute, e que, sobretudo faz a vida valer a pena!

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *