21 de maio de 2022
Vera Vaia

Blowin'in The Wind!

why-bob-dylan-won39t-win-the-nobel-prizeFoto: Arquivo Google

(How many roads must a man walk down
Before you call him a man?)
Desde a semana passada só se fala no Nobel de Literatura que o Robert Allen Zimermann ganhou.
Mas quem é esse rapaz que conseguiu abocanhar um prêmio tão almejado por muitos escritores do mundo inteiro?
Bem, esse jovem começou sua carreira musical lá pelos idos dos anos 60, se rebatizou com o nome de Bob Dylan e já foi logo dizendo a que veio. Dono de uma voz anasalada que  não passaria pelo crivo de um Carlinhos Brown ou de uma Claudia Leite (grande coisa!), mas com um jeito todo especial de dar seu recado.
Além de cantor ele é também compositor, pintor, ator e escritor. Em 1966 escreveu  o livro “Tarântula” e em 2004 “Chronicles Volume One”.
Dylan marcou época dos então jovens metidos a intelectuais que achavam que o mundo tinha solução. Suas músicas de protesto foram amplamente ouvidas, cantadas e discutidas em barzinhos por um rebanho enorme de literatos, jornalistas, estudantes e hippies em geral.
Dono de um talento incrível, o autor de 583 músicas, se fez conhecer através da sua própria voz e de vozes como a de Joan Baez, sua amiga de início de carreira, depois companheira e, por um tempo, inimiga de carteirinha, do trio Peter, Paul and Mary e do Eduardo Suplicy! Ahn?
Bom, deixa pra lá! O fato é que todo mundo já ouviu falar de Bob Dylan e ninguém discute suas qualidades artísticas.
O que se está discutindo agora é a “ineditilidade” (valeu, Tite!) do fato.
É a primeira vez desde que o Nobel se conhece por gente, que alguém da área da música leva o prêmio de Literatura.
A primeira premiação foi em 1901 e quem levou foi o poeta francês Sully Prudhomme.
Desde então nomes como George Bernard Shaw, Thomas Man, Luigi Pirandello, Hermann Hesse, Hemingway, Pablo Neruda, Vargas Llosa, Jean Paul Sartre (que recusou o prêmio), só para citar alguns, já levaram o prêmio.
A escolha era rigorosa e os jurados levavam em conta o conjunto da obra de cada escritor, do estilo, da filosofia contida nela.
Ao anunciar a premiação desse ano, a porta-voz da Academia Sueca disse que “Bob Dylan criou novas expressões poéticas dentro da grande tradição das canções americanas”, justificando o inusitado  da decisão.
Ou nos contentamos com essa explicação, ou levantamos a lebre de que, nesses tempos modernos, o livro de papel está perdendo seu papel e virando objeto obsoleto, ou ainda que a escolha possa ter sido pelo velho e infalível método do “na falta de tu, vai tu mesmo”! Como saber?
The answer, my friend, is Blowin’in The Wind
The answer is Blowin’in  The Wind!

author
Mãe de filha única, de quatro gatos e avó de uma lindeza. Professora de formação e jornalista de coração. Casada com jornalista, trabalhou em vários jornais de Jundiaí, cidade onde mora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.