3 de março de 2024
Colunistas Vera Vaia

Pra Tudo se Acabar na Quarta-feira!


E quem disse que acabou? Os foliões deixaram os salões e avenidas, mas o nosso Rei Momo – magro de físico e de ideias – resolveu botar seu bloco pra sambar nessa terça-feira gorda, com um vídeo convocando os foliões remanescentes para ir às ruas, numa espécie de micareta ou algo parecido.
O objetivo é conseguir o maior número de participantes possível, para respaldar a intenção de transformar seu reinado num Bloco do Eu Sozinho, sem as instituições que “atrapalham” suas decisões.
Meio bloco, meio escola de samba, os organizadores estão contando com a falta de informação de alguns integrantes para que o evento tenha sucesso.
E para que a escola possa desfilar na data marcada, alguns quesitos já foram acertados.
O samba-enredo será uma antiga marchinha de carnaval de nome ludibrioso, “A Voz do Povo”, que tem o seguinte refrão:
Tudo o que penso de ti
Já se disse aqui e ali
Portanto é a voz geral
E eu para dizê-lo de novo
Terei que me tornar banal
Que raiva eu tenho do povo
Que não me deixa ser original.

O chefe da bateria, general Hamilton “Murrão”, deverá treinar os músicos formados pelas Forças Armadas, que seguirão pela avenida executando o tema escolhido.
O mestre-sala, um general de nome pomposo, Augustus Helenus, já ligou o foda-se e, com muito samba no pé, ensaia para cortejar sua porta-bandeira, que este ano será encarnada pela ex-passista Damares Árvores.
Na comissão de frente, os escolados sambistas de carnavais passados, Jairzinho, Flavito, Dudu e Carluxo, prometem vir armados com toda a picardia exigida para a apresentação da ala.
A escola de samba Acadêmicos do Salseiro até agora não encontrou um chefe para comandar a Harmonia – pelo menos um que dê o tom certo entre o ritmo e o canto.
Pensaram em colocar Onix Lazaroni, uma espécie de coringa da escola, mas ele foi remanejado primeiramente para a ala das baianas e agora está na comissão de trás.
O Enredo já está definido: será sobre a derrubada dos pilares da democracia, envolvendo as instituições. E como é de praxe, fala também sobre índios, deuses e Nabucodonosor. O que eles têm a ver com isso? Nada! Mas servem para encher linguiça e despistar o foco.
Ainda não foi estabelecida a fantasia que deverá ser usada pelos integrantes da escola, mas muito provavelmente será a de palhaço.
Aos que aderirem, um bom entrudo, mas cuidado com o que vão mandar goela abaixo.
Essa ressaca pode ser das brabas!

Vera Vaia

Mãe de filha única, de quatro gatos e avó de uma lindeza. Professora de formação e jornalista de coração. Casada com jornalista, trabalhou em vários jornais de Jundiaí, cidade onde mora.

author
Mãe de filha única, de quatro gatos e avó de uma lindeza. Professora de formação e jornalista de coração. Casada com jornalista, trabalhou em vários jornais de Jundiaí, cidade onde mora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *