20 de abril de 2024
Editorial

“O que é isso companheiro?”

Imagem: Google Imagens – Cine Goiania

Uso como título, o do livro de Fernando Gabeira, escrito em 1979 e do filme dirigido por Bruno Barreto em 1997, para ilustrar o quanto pasmos ficamos com as declarações de Lula na abertura do Foro de São Paulo.

Pessoal e politicamente, acho que ele, como presidente, não deveria ter ido, pois assim foi assumido que o Brasil apoia aqueles regimes “oficialmente” ditatoriais. Sendo ele pré-candidato ou candidato, tudo bem, poderia comparecer, mas nunca como Presidente.

Suas declarações foram lamentáveis. A defesa que ele insiste em fazer de Maduro chega a ser risível. A democracia não é algo relativo, em qualquer lugar do mundo, nem mesmo na Venezuela.

Embora as práticas democráticas possam variar de país para país e ao longo do tempo, os fundamentos democráticos são essenciais e não podem ser relativizados. A democracia busca garantir a voz e a representação de todos os cidadãos, independentemente de suas diferenças, e promover a tomada de decisões coletivas de maneira justa e inclusiva.

Mais uma vez Lula diz uma asneira inconcebível para um presidente, líder da esquerda. Dizer que o “conceito de democracia é relativo” é um prato cheio para a extrema- direita. É um estelionato eleitoral explícito! Que peça desculpas humildemente pela declaração burra.

A Venezuela tem mais eleições que nós!“. Presidente, ter mais eleições não denota uma democracia. Quando o resultado da eleição não agradou ao governo, ele faz outra, ou a mascara com um referendo. Mesmo assim, se ainda não agradar, parte para um plebiscito. Cada um movimento desses é uma eleição, não é?

Nunca pode ser democrático um regime que muda as regras do jogo pra se manter. Não é democrático um regime que aparelha as FFAA e o Judiciário, criando aparatos para se impor. Não é democrático um regime que persegue jornalistas, sufoca a imprensa e prende, ou torna inelegíveis, líderes da oposição, como ocorreu agora com Maria Corina, oposicionista ao governo, que foi considerada inelegível por 15 anos para cargos públicos por “supostas irregularidades administrativas em 2011-2016

Juan Guaidó foi outro exemplo. Então, os líderes da oposição foram presos ou tiveram seus direito cassados. Bela democracia. Os elogios a Maduro vão de encontro ao que afirmam as ONGs e organismos internacionais.

Esta é a democracia que o nosso presidente exalta e elogia? Seus principais adversários foram tornados inelegíveis nas próximas eleições… isso nos remete, aonde mesmo? Bolsonaro x TSE; não está parecido?

Aliás, creio que Lula não fez qualquer comentário sobre a inelegibilidade de Bolsonaro exatamente por isso, porque iriam cobrar dele a comparação, e ele não saberia explicar.

Lula disse: “Não podemos isolar nem a Venezuela nem qualquer outro país“. Sim, presidente, as relações comerciais devem ser mantidas, mas elogios à gestão de Maduro ou de outro ditador não podem ser elogiadas, ou mascaradas como “narrativas“.

Repercussão internacional:

  • Os presidentes do Uruguai e do Paraguai contestaram a defesa de Lula, expressando preocupação com a inabilitação política da maior adversária de Maduro;
  • O Jornal L’Express – francês – cujo presidente é amiguinho de Lula, disse em manchete (traduzida): “Lula é assessor de Maduro“! E na notícia: “Lula é falso amigo do ocidente”!

Isso é só o começo…

Valter Bernat

Advogado, analista de TI e editor do site.

Advogado, analista de TI e editor do site.

1 Comentário

  • ilmar 8 de julho de 2023

    Excelente ….merece ser lido e divulgado intensamente…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *