22 de maio de 2024
Editorial

Gilmar x Janot

Foto: Folha de SP (Arquivo Google)

Terrível o espetáculo proporcionado por estas importantes figuras do nosso Judiciário. Maquiado por um linguajar impoluto, assistimos a uma troca de ofensas por pessoas que têm de manter o equilíbrio, pois a emoção não deve influir nas decisões que o exercício do cargo lhes impõem. E pensar que ambos atingiram o ponto máximo das respectivas carreiras e são por nós sustentados, pela imoral carga de impostos.
Há tempos que as interferências do ministro Gilmar Mendes em assuntos que não são de sua competência está atingindo limites insuportáveis, transformando o TSE num partido em defesa de políticos envolvidos em investigações do MP, da PGR etc., com afirmações estapafúrdias, como a que se refere ao caixa dois e à Lava-Jato. É preciso que ele seja contido e colocado no seu devido lugar, pois a população não aprova a sua participação no cenário político.
Se Janot acoberta vazamentos, não sei, mas que sua fala reflete tudo sobre Gilmar Mendes não restam dúvidas. Deixando de lado a postura que se espera de um integrante da Corte, o ministro, sem pudor, passou a fazer política, reunindo-se com figuras denunciadas na Lava-Jato. Perdeu a isenção e virou advogado dos denunciados. Deixou de lado a imparcialidade de alguém que julgará aos que, antecipadamente, defende. Ele não diz em off como votará: declara o voto aberta e diariamente.
O ministro do STF e Presidente do TSE, em sua crítica à PGR, diz que o Brasil parece um país de trambiques. Ministro, com o devido respeito, independentemente de vazamentos, o foro privilegiado, verdadeiro abrigo para criminosos, e a infinita sucessão de escândalos nos dão a certeza de que este país é o campeão mundial de trambiques. E o pior é que os rombos continuam sendo cobertos, assaltando o bolso do contribuinte, como fica claro no apetite pelo aumento de impostos.
É preocupante ver a voracidade verbal de um ministro do STF ao sugerir a anulação de provas da Lava-Jato. Em vez de ficar falando, ele deveria trabalhar para punir os responsáveis pela podridão que tomou conta do país. Infelizmente estes fatos são consequência das indicações políticas para a Corte da nossa republiqueta. Fantoches.

Valter Bernat

Advogado, analista de TI e editor do site.

Advogado, analista de TI e editor do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *