"É fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça!"

Foto: Arquivo Google – Joven Pan On Line

Não há o que se comemorar com a condenação de Lula, em Segunda Instância. Lula traiu toda uma geração que acreditou ser possível se fazer política com ética e sem a prática de corrupção que sempre permeou o mundo político brasileiro.
Foi uma covardia a todos que acreditaram e votaram nele. Acharam que Lula e o PT, ao chegarem ao poder, manteriam hasteada a bandeira da dignidade empunhada por uma geração que foi às ruas “sem medo de ser feliz”, mas transformaram um suposto projeto de governo em um projeto de poder pessoal.
Resta a percepção de que o país está mudando, e para melhor. Isso, sim, justifica festejos, embora ainda muito suaves.
Aqueles que desviaram e ainda desviam dinheiro público e participaram ou ainda participam de esquemas de corrupção têm razão para ficarem preocupados com seus destinos.
Lula – só ele mesmo, quem imaginaria tamanho absurdo – se comparou a Mandela, líder sul-africano, e a Tiradentes, mártir da nossa Independência. Esqueceram de avisar a ele que nenhum dos dois se envolveu em escabrosos casos de corrupção. Pelo contrário, sempre foram homens de moral ilibada.
Em que pese o fanatismo dos que lambem os pés de Lula e se negam a encarar o óbvio, foram irretocáveis as sentenças dos três desembargadores de Porto Alegre.
Além disso, ainda nos agraciaram com traduções do juridiquês para o português dos mortais. Com isso, deram uma aula magna do que é ser um representante do povo no Judiciário e se colocaram a anos-luz dos que se arvoram de sê-lo, equivocadamente… não é senhores ministros do STF! Que aprendam a lição, com humildade. Falem a linguagem do povo!
Renovemos nossos valores! Chega de personalismos. Chega de alçar figuras como Lula, Bolsonaro, ou qualquer outro desses considerados “salvadores da pátria”. Os cidadãos brasileiros devem começar a usar conscientemente seu direito, sua liberdade, sua autonomia e sua dignidade consagradas em 1988. Somos nós os responsáveis por salvar o país do buraco! Mudemos, em outrubro, no voto!
Henry Louis Mencken, jornalista e crítico social americano, já disse: “É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a justiça.”
Está na hora de o ex-presidente mudar o disco. Lula, você escolheu o fácil papel de vítima.
Ninguém aguenta mais. Poupe-nos!

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *