20 de maio de 2024
Editorial

Cabral descobriu o Brasil e agora, finalmente, o Brasil descobriu o Cabral

cabralhugogarotinho-extraonlineFoto: Extra Online

Há dois dias acordo como que despertando de um sonho, com um verdadeiro bom dia, ao ver anunciada a prisão de políticos ladrões, corruptos, chefes de quadrilhas, manipuladores da opinião pública, responsáveis pela falência do estado, como Sérgio Cabral (e alguns de seus asseclas) e Anthony Garotinho. Que venham muitos outros “bons dias”, fazendo justiça e colocando na cadeia tantos outros que, inexplicavelmente, ainda continuam impunes!
Garotinho e Cabral estão presos. Falta ainda investigar a situação de Rosinha Garotinho, Pezão, Benedita e Dornelles (só no Rio de Janeiro). Nos últimos 20 anos, foram construídas, aqui no estado do Rio, usinas termelétricas, usina nuclear em Angra dos Reis, houve obras para Olimpíada, Copa, Pan, COMPERJ e outros empreendimentos. Pelo andar da carruagem, os presídios ficarão abarrotados de gestores da corrupção.
O motivo das prisões dá bem a diferença entre o “gabarito” dos dois corruptos. Um, preso pela Operação “Chequinho” que bateu à porta do ex-governador Garotinho. Acusação? Uso indiscriminado do programa Cheque Cidadão em Campos, na eleição deste ano. Cerca de 200,00 para cada “pobre” na cidade de Campos, que quase dobrou sua população carente às vésperas da eleição municipal. Merreca, se comparado financeiramente ao outro. O outro, Sergio Cabral, um político mais experiente, com mais contatos e com muito mais obras nas mãos, foi pego pela atual única esperança do povo brasileiro, a Operação Lava-Jato, pelo desvio de recursos e propinas que somam mais de 200 milhões de reais.
Mas vejamos, dois ex-governadores do RJ presos em 24 horas. E mais caciques devem estar a caminho. E nós, servidores e população, é que temos de pagar a conta da corrupção e da crise econômica em que estamos por consequência direta destes roubos? Não podemos aceitar isto de jeito algum.
As causas da quase falência do estado? Crise mundial do petróleo, redução na receita de ICMS ou desoneração de atividades empresarias, entre muitas outras, até podem ser apontadas como causas do caos fiscal e social fluminenses. Entretanto, as prisões de Garotinho e Cabral não nos permitem deixar de entender que tudo isso se deve à ínfima estatura moral desses ex-governantes, repetidamente eleitos.
Fossem os governos dos Srs. Cabral e Pezão sérios, corretos e retos, tenho certeza que os servidores públicos e os cidadãos fluminenses não se recusariam a fazer algum sacrifício pela recuperação do Estado do Rio de Janeiro. No entanto, querer que paguemos as contas de isenções fiscais obscuras, jantares na França e anéis milionários é inaceitável! Não temos brioches para comer.
Estas prisões significam muito, mas será que podemos começar a ter esperança de viver no Rio? Sabemos que o estrago foi muito grande, e a curto prazo será impossível reverter esta situação. Mais já é um começo.
Ainda temos que mudar políticos eleitos e que nada fizeram. A população tem que ter consciência na hora de votar. Precisamos de saúde, educação e segurança e não de políticos de carreira e com falta de escrúpulos.
Cabral descobriu o Brasil, mas o Brasil descobriu o Cabral, com 516 anos de atraso.
 

Valter Bernat

Advogado, analista de TI e editor do site.

Advogado, analista de TI e editor do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *