23 de junho de 2024
Vinhos

Visitamos o Vigneti Massa, no Piemonte

Depois de nossa passagem pelo Porto, Portugal, nosso próximo destino foi o Piemonte, norte da Itália, terra de alguns dos mais famosos vinhos do mundo, como os Barolo e os Barbaresco.

Nossa primeira visita foi em busca de um caminho diferente. Escolhemos a Vigneti Massa, cujos vinhos ainda não estão no Brasil, para conhecer um espetacular trabalho, realizado pelo seu proprietário, Walter Massa, recuperando a dignidade de uma antiga e esquecida uva branca: Timorasso.

A vinícola foi fundada por esta família em 1879. Atualmente cultivam 30 hectares de vinhedos, localizados nas colinas de Monleale (Colinas de Tortona), 300 metros acima do nível do mar. Além da nativa Timorasso, estão plantadas Barbera, Croatina, Freisa, Nebbiolo, Moscato e Roschi.

Fomos recebidos por Filippo, jovem e muito simpático Enólogo que, junto com seu irmão, faz o trabalho pesado. Depois de um rápido giro pelos vinhedos ao redor da sede, passamos para uma degustação/aula sobre este incrível trabalho que não se resume ao empreendimento dos “Massa”, mas toda uma região que ganhou novas oportunidades.

Walter optou por trabalhar com esta antiga varietal na década de 80 e talvez tenha sido o primeiro a produzir um 100% Timorasso. Foi uma experiência muito boa. Das poucas 500 vinhas encontradas então, hoje são cerca de 430 acres plantados por diversos produtores, inclusive alguns nomes famosos como Vietti e Fontanafredda. Ao todo, a produção atinge 800.000 garrafas/ano.

Os vinhos são classificados como “DOC Colli Tortonese Timorasso”, mas já estão solicitando uma denominação mais abrangente, “Tortona Timorasso” ou apenas “Derthona”, que é o antigo nome da comuna de Tortona.

Além dos excelentes vinhos, esta região é altamente gastronômica produzindo castanhas, trufas, queijos e mel.

Degustamos toda a linha do Timorasso: Piccolo Derthona, Derthona, Sterpi, Montecitório, Costa del Vento e Sentieri.

As diferenças entre cada rótulo estão na origem das uvas, tempos de maceração e de amadurecimento antes do engarrafamento. Nenhum deles passa por madeira.

São vinhos com uma acidez marcante e muito refrescantes. Ideais para um clima tropical como o do Brasil. Muito encorpados, levam a crer que foram macerados com as peles, o que não é verdade. Entretanto, alguns produtores já estão experimentado este caminho.

Um detalhe nos chamou a atenção: tampas de rosca. O Vigneti Massa é um adepto deste tipo de fechamento e tem feito diversas inovações junto com um renomado produtor destas cápsulas metálicas. Uma de suas grandes mudanças é a conexão com tecnologia NFC: basta você usar o seu smartphone no selo sobre a tampa para ter acesso a tidas as informações sobre o vinho.

Um show de tecnologia!

Este é um de nossos motes: tradição e modernidade juntos.

Provamos, ainda, três tintos elaborados com a casta Barbera, todos muito bons: Sentieri, Monleale e Bigolla. Notem que alguns destes ainda usam rolha de cortiça. Mudarão em breve, eram safras mais antigas.

Para saber mais, visitem o site da vinícola: https://vignetimassa.com/

Saúde e bons vinhos!

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *