15 de junho de 2024
Vinhos

Vinhos de corte – de volta ao básico

Vinho de corte, blend, assemblage ou coupage são diferentes denominações para um mesmo produto: um vinho produzido com mais de uma casta.

Alguns dos vinhos mais famosos do mundo são elaborados assim. Um leitor mais atento vai lembrar do onipresente corte bordalês, que produz joias como Chateau Ausone, Chateau Cheval Blanc, Chateau Margaux, entre outros. Sempre uma composição entre Cabernet Sauvignon, Merlot e mais alguma outra entre limitadas e permitidas opções.

Curiosamente, quase nunca nos damos conta que existem outros vinhos, tão ou mais famosos que os de Bordeaux, que são elaborados “blends”. O Champagne é um deles. Tradicionalmente é vinificado a partir de um corte de Pinot Noir, Chardonnay e Pinot Meunier. Outros dois ícones do mundo do vinho que seguem este estilo são o Porto e o Madeira.

O objetivo de cortar um vinho é fazê-lo melhor. A cada safra, as uvas mudam algumas de suas características básicas, como teor de açúcar, presença de polifenóis etc. que influenciam diretamente no produto da vinificação. Uma das mais poderosas ferramentas que um enólogo dispõe para contornar estas variações é misturar ou cruzar, com outras outras vinificações, corrigindo acidez, taninos, aromas, sabores e até mesmo teor alcoólico.

Vários tipos e corte são possíveis, desde uma simples mistura de diferentes castas vinificadas separadamente, a combinação de vinhos de diferentes safras, de uma mesma casta ou de várias e, ainda, a cofermentação, onde várias uvas são processadas ao mesmo tempo.

Em Portugal vamos encontrar vinhedos com várias castas plantadas juntas, num arranjo chamado de “field blend” ou corte do campo. Este conceito pode ser estendido para o uso de frutos de diferentes vinhedos ou mesmo de parcelas de diferentes áreas. As possibilidades de combinações são múltiplas.

As proporções entre cada casta num corte ficam por conta do Enólogo. Durante o processo serão realizadas diversas provas que vão definir as dosagens de cada vinho. Apenas no caso dos “field blend” a proporção já vem definida.

Além dos cortes citados, alguns outros se destacam neste nosso universo vínico:

– GSM – iniciais de Grenache, Syrah e Mouverdre. Típico da região do Rhone, França. Um destaque vai para o Châteauneuf-du-Pape, que pode receber até 14 tipos de uvas na sua elaboração;

– Chianti – o típico vinho da Toscana, em sua versão original, é um corte entre Sangiovese (70% no mínimo), Canaiolo, Colorino, Ciliegiolo, Mammolo e a branca Trebbiano. Atualmente estas castas estão sendo pouco usadas e deram lugar a outras, mais europeias, como Cabernet e Merlot, originando os “supertoscanos”. A legislação mudou para aceitar estas uvas no corte deste clássico vinho;

– Na Austrália há um corte muito comum e bem aceito pelo mercado – Cabernet Sauvignon e Shiraz (Syrah). Alguns autores já apelidaram de “corte australiano”;

– Na Califórnia, alguns produtores se dedicaram a encontrar um vinho de corte que tipificasse a região e fosse uma alternativa aos varietais. Um vinhateiro, Dave Phinney, com o seu “The Prisoner”, estabeleceu uma tendência, pelo menos. Um complicado corte entre as duas mais famosas uvas da região, Cabernet Sauvignon e Zinfandel, com coadjuvantes como Charbono (Bonarda), Syrah e Petit Syrah, algumas delas plantadas num “field blend”.

Para finalizar, um lembrete: tecnicamente um vinho de corte é um produto de melhor qualidade, desde que bem elaborado. Existe outro tipo de “corte”, assim mesmo, entre aspas, aquele em que um produtor inescrupuloso estica sua litragem produzida misturando, sabe-se lá o que, no seu vinho base.

Seu objetivo?

Aumentar o faturamento…

Saúde e bons vinhos!

Imagem de nattynati por Pixabay 

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *