29 de maio de 2022
Ricardo Noblat

Moro, a pedra no caminho do capitão

Como Brasília leu a pesquisa VEJA-FSB

INIMIGO ÍNTIMO – Bolsonaro e Moro: o ministro é o único que
ganharia do presidente em um eventual segundo turno (Eraldo Peres/AP/AP)

A função das pesquisas de intenção de voto, ainda mais a três anos da próxima eleição presidencial, é causar impressões e provocar ensaios de movimentos políticos.
A pesquisa VEJA-FSB foi lida assim no último fim de semana por gente experiente no Congresso, no Palácio do Planalto e na Esplanada dos Ministérios:
+ Apesar da perda de popularidade registrada em outras pesquisas, e do desgaste de um começo de governo marcado por sucessivas crises, Bolsonaro aparece bem em simulações de cenários do primeiro e do segundo turno;
+ Mesmo preso, Lula revela-se um candidato competitivo a ponto de ter tido seu nome pesquisado e estampar a capa da revista;
+ Para quem se nega a admitir que possa vir a ser candidato, o apresentador Luciano Huck despontou como um nome capaz de atrair o apoio da centro direita ou de parte expressiva dela:
+ A pesquisa foi péssima para o governador João Doria (PSDB), de São Paulo, que não chegou a obter 5% das intenções de voto;
+ Sérgio Moro foi o que mais ganhou com a pesquisa. Venceria qualquer adversário se a eleição fosse hoje. Por isso mesmo, Bolsonaro deverá indicá-lo para ministro do Supremo.
As informações são do TAG Reporter, relatório semanal das jornalistas Helena Chagas e Lydia Medeiros.
Fonte: Blog do Noblat – Veja Abril

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.