19 de maio de 2024
Tecnologia

O Android puro não pode sumir do mapa


por Bruno Salutes
Com a enquete que publicamos no último final de semana no site, cheguei a conclusão de que as pessoas divergem mais de opinião quando o assunto é a customização do Android. Aparentemente, grande parte dos nossos usuários dão mais valor ao software do que ao hardware, desde que, claro, a fabricante não construa um dispositivo com especificações insignificantes. Em meio às discussões levantadas, chegamos a um veredito final: o Android puro não pode sumir do mapa.
O software básico tem seu valor
Alguns usuários disseram que chamar de puro um software que na verdade é pouco prático, pouco customizado e mal acabado é injusto. Entretanto, discordo um pouco desse pensamento, pois o Android puro é o ponto de partida para que as interfaces proprietárias possam existir.
Quando um recurso chega tarde ao Android stock é comum que os usuários comentem que já tiveram a oportunidade experimentá-lo na interface da Samsung, por exemplo, como o modo multijanela. E é nesse ponto que descobrimos o valor que o software puro tem.
O Android em sua essência agrada quem se preocupa com a performance do sistema e, claro, quem se incomoda com bloatwares pré-instalados. Contudo, olhando pelo outro lado da moeda, algumas evoluções no próprio sistema só se tornaram possíveis graças ao trabalho feito através das customizações.
O próprio modo multijanela apareceu antes em ROMs e interfaces proprietárias e serviu como diferencial para que as fabricantes pudessem popularizar dispositivos com telas grandes, algo pouco desejado pelos usuários em meados de 2012.
Eu não concordo com os comentários dizendo que Android puro não é otimizado. Acredito que um Android possa ser otimizado para cada aparelho sem deixar de ser puro, pois do meu ponto de vista seria como instalar o Windows e não instalar o driver da sua placa de vídeo. – David Kirsch
É claro que nem sempre uma marca tira proveito dessa plataforma “em branco” para desenvolver algo interessante para nós. As customizações vão de Sony, com a Xperia UI, até a Xiaomi, com a MIUI, que é uma ROM compilada em cima do código fonte do Android puro. As interfaces, sobretudo, representam a versatilidade da plataforma do Google e mantém a competitividade entre as marcas aquecida, pois, caso contrário, ela existiria apenas no campo das especificações.
Mas, de modo geral, o mérito de uma boa interface customizada é todo do Android puro.
Software puro é sinônimo de preguiça?
Como eu disse na enquete, no Brasil nossa única referência de software puro é aquilo que temos na linha Moto (sem contar importações e ROMs customizadas). Logo, se este Android sumisse pelas mãos da Lenovo, muitos usuários teriam que se acostumar como uma nova interface para continuar usando um Moto G, por exemplo. Isso não seria ruim, caso nós tivéssemos uma boa interface rodando nesses modelos, mas, quem viveu a era Moto Blur deve se arrepiar só de pensar nessa possibilidade.
Só uso a Motorola por causa do Android puro, se nas próximas edições retirarem isso, vou procurar a marca que traga menos modificações possíveis!  – Nivaldo Cavalcante
O software quase puro não foi uma questão de escolha para a Motorola, mas sim algo que a companhia se viu obrigada a utilizar para conseguir emplacar uma nova linha de produtos após uma era de ostracismo. Isso se mantém até hoje, pois se tornou um diferencial para a marca, pois, basicamente, ela é a única que utiliza um software próximo do stock em alguns mercados.
Não acredito que optar por esse tipo de sistema pouco modificado seja sinal de “preguiça” do fabricante, mas uma questão óbvia que envolve a usabilidade. Você pode comprar um modelo mais básico com o software customizado, mas, tenha certeza que, se bem utilizado pelo usuário, o modelo com sistema mais puro terá chances de durar por mais tempo sem muitos problemas na performance.
Embora seja desnecessário em tops de linha (é até um estorvo na minha opinião), é extremamente necessário em smartphones de entrada – Lucasssotero
Software puro não é sinônimo de preguiça, mas sim uma escolha que as fabricantes podem fazer para viabilizar o hardware de um produto mais básico por mais tempo.
E ficamos assim…
Com 2.148 votos, 70% dos nossos usuários votaram pela continuidade do Android puro a qualquer custo. Esses usuários se dizem preocupados com um suposto sumiço do sistema, caso a Lenovo optasse em customizar os Moto com a interface dos modelos chineses ZUK. Mas é claro que fica a ressalva aqui: as interfaces customizadas são essenciais para a evolução do Android.
Eu pessoalmente gosto mais de interfaces customizadas, como a última versão da TouchWiz ou da Xperia UI, por exemplo, mas já passei por fases nas quais o Android puro fazia todo o sentido para mim. A escolha pela customização ou pelo Android stock é algo que muda de acordo com a proposta dos dispositivos, visto que tudo dependerá do hardware e das nossas necessidades.
Eu não tenho preferência nem pelo modificado, nem pelo puro. Cada um tem seu público. Há quem queria o simples, e há quem queira recursos – David CD
Não acredito nessa ideia de “uma vez stock, sempre stock”, pois todos nós estamos sujeitos a nos surpreender com uma skin de fabricante alguma vez na vida.
FONTE: ANDROIDPIT

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *