22 de fevereiro de 2024
Colunistas Lucia Sweet

Estava lembrando hoje de uma história que alguém, há muito tempo, me contou: “Oi, Jesus, eu sou o Zé …”

Cada dia, ao meio-dia, um pobre velho entrava na Igreja e saía, alguns minutos depois.

Um dia, o sacristão, desconfiado, perguntou-lhe o que fazia na Igreja, porque havia objetos de valor no altar.

Venho rezar, respondeu o velho.

Mas é estranho, disse o sacristão, que consiga rezar tão depressa.

Bem, retrucou o velho, eu não sei rezar essas orações complicadas. Mas, todo dia, ao meio-dia, eu venho aqui e digo:

—”Oi, Jesus, eu sou o Zé, vim te visitar.”

Num minuto já estou de saída. É só uma oraçãozinha, mas tenho certeza que ele me ouve.

Alguns dias depois o Zé sofreu um acidente e foi internado num hospital. Na enfermaria, ao seu lado, os doentes mais tristes ficaram alegres e muitas risadas passaram a ser ouvidas.

Zé, comentou um dia a Irmã, os outros doentes dizem que você está sempre alegre…

É verdade, irmã. Estou sempre alegre por causa da visita que eu recebo todo dia e que me faz tão feliz.

A Irmã ficou atônita porque já havia notado que a cadeira ao lado da cama do Zé estava sempre vazia. O Zé era um solitário, não tinha ninguém.

—Quem o visita? A que horas? — quis saber a Irmã.

—Todos os dias, — respondeu o Zé com um brilho nos olhos, — ao meio-dia, Ele vem e pára no pé da minha cama. Quando olho para Ele, Ele sorri para mim e diz: “Oi, Zé, eu sou Jesus. Vim te visitar.”

Lucia Sweet

Jornalista, fotógrafa e tradutora.

Jornalista, fotógrafa e tradutora.

1 Comentário

  • Paulo Takeuti 5 de dezembro de 2022

    Oi Lucia, eu sou o Paulo. Visito tua coluna todos os dias. Parabéns pelas lindas mensagens.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *