21 de julho de 2024
Colunistas Lucia Sweet

Criticar a esquerda com racionalidade é ataque

Atacar a direita com violência, é “defesa da democracia” que é como a esquerda chama os regimes totalitários que existem em Cuba, na Venezuela, na China, entre outros países. Só confundem a si mesmos que criaram uma realidade distópica. Só eles vivem nela, felizmente.

Imagem: Google Imagens – CPERS

Minha querida Stella Caymmi criticou corretamente o vergonhoso ataque que sofreu o nosso Presidente Bolsonaro no outrora relevante Jornal Nacional, por ex-jornalistas militantes que conduziram um interrogatório com direito a luz forte no rosto do entrevistado, entre outras barbaridades. Por essa crítica, Stella recebeu um elogio ao contrário de de seus tios, Dori e Danilo, que postaram no Instagram deles não compartilharem do pensamento político da sobrinha, além de rasgarem elogios à vergonhosa inquisição na #GloboLixo.

Stella, minha querida, não se entristeça. Defender a verdade, num mundo dominado pela mentira, é tarefa árdua, mas nosso dever. Por isso Jesus disse: “tome a sua cruz e siga-me”. E “quem não está comigo está contra mim”.

Vivemos momentos tão perigosos quanto em 1964. Os métodos mudaram, ou melhor, pioraram, mas o objetivo é entregar o Brasil a forças estrangeiras aliadas ao narcotráfico e à nova ordem.

Acham que, com o povo escravizado, eles tomarão nossas riquezas e escravizarão o povo, para viverem no luxo e na opulência de um “Admirável Mundo Novo”, preconizado por Aldous Huxley em 1932.

Aproveito e encerro com a carta que Huxley escreveu em 1949 para George Orwell, na ocasião do lançamento do livro “1984”. O que está acontecendo agora vem sendo planejado há muito por mentes doentias.

É contra isso que lutamos e procuramos avisar às pessoas. Amo e admiro muito você, Stella. E quero que você saiba disso.

Wrightwood. Cal.

21 de outubro de 1949

Prezado Sr. Orwell,

Foi muito gentil da sua parte dizer aos seus editores para me enviarem uma cópia do seu livro. Chegou quando eu estava no meio de um trabalho que exigia muita leitura e consulta de referências; e como a visão deficiente me obriga a racionar minha leitura, tive que esperar muito tempo antes de poder embarcar em 1984.

Concordando com tudo o que os críticos escreveram sobre ele, não preciso dizer, ainda mais uma vez, quão belo e profundamente importante é o livro. Posso falar em vez da coisa de que trata o livro – a revolução final? Os primeiros indícios de uma filosofia da revolução final – a revolução que está além da política e da economia, e que visa a total subversão da psicologia e da fisiologia do indivíduo – encontram-se no Marquês de Sade, que se considerava o continuador, o consumador, de Robespierre e Babeuf. A filosofia da minoria dominante em 1984 é um sadismo que foi levado à sua conclusão lógica indo além do sexo e negando-o. Se, de fato, a política da bota na cara pode continuar indefinidamente, parece duvidoso. Minha própria crença é que a oligarquia dominante encontrará maneiras menos árduas e esbanjadoras de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas maneiras serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo. Recentemente, tive a oportunidade de examinar a história do magnetismo e do hipnotismo animal, e fiquei muito impressionado com a maneira como, por cento e cinquenta anos, o mundo se recusou a levar a sério as descobertas de Mesmer, Braid, Esdaile, e o resto.

Em parte por causa do materialismo predominante e em parte por causa da respeitabilidade predominante, os filósofos e homens de ciência do século XIX não estavam dispostos a investigar os fatos mais estranhos da psicologia para homens práticos, como políticos, soldados e policiais, para aplicar no campo do governo. Graças à ignorância voluntária de nossos pais, o advento da revolução final foi adiado por cinco ou seis gerações. Outro acidente de sorte foi a incapacidade de Freud de hipnotizar com sucesso e sua conseqüente depreciação do hipnotismo. Isso atrasou a aplicação geral do hipnotismo à psiquiatria por pelo menos quarenta anos. Mas agora a psicanálise está sendo combinada com a hipnose; e a hipnose tornou-se fácil e indefinidamente extensível através do uso de barbitúricos, que induzem um estado hipnóide e sugestionável até mesmo nos sujeitos mais recalcitrantes.

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento infantil e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que clubes e prisões, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão como açoitando e chutando-os em obediência. Em outras palavras, sinto que o pesadelo de 1984 está destinado a se modular no pesadelo de um mundo mais parecido com o que imaginei em Admirável Mundo Novo. A mudança será provocada como resultado de uma necessidade sentida de aumentar a eficiência. Enquanto isso, é claro, pode haver uma guerra biológica e atômica em grande escala – nesse caso, teremos pesadelos de outros tipos dificilmente imagináveis.

Obrigado mais uma vez pelo livro.

Com os melhores cumprimentos, Aldous Huxley:

— Para Stella Caymmi com amor, Lucia Sweet

PS.: Para quem não sabe o significado da expressão “sociedade distópica”, a distopia é um pensamento filosófico que caracteriza uma sociedade imaginária controlada pelo Estado ou por outros meios extremos de opressão, criando condições de vida insuportáveis aos indivíduos. Normalmente tem como base a realidade da sociedade atual idealizada em condições extremas no futuro.

Lucia Sweet

Jornalista, fotógrafa e tradutora.

Jornalista, fotógrafa e tradutora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *