” I believe!”  – Eu acredito

Imagem: YouTube

É pra cantar ou pra causar? No The Voice UK e a regra prevalece para outros países, está no título o motivo do programa: “a voz”, o talento, o candidato : o conjunto da obra.

No Brasil é pra causar… Jurado canta? No Brasil o júri tem integrantes por capacidade ou….

Todos entendem de música? Escuta aí o Sir Tom Jones.

No Brasil o critério estabelecido na “Rede Que Te Faz de Bobo” é outro…

Até hoje não te contaram que aquele boçal Aero Willys não passou por seleção prévia de candidatos, era “conhecido” de uns e outros na emissora. Como se diz no jargão do Jornalismo era “REC”: recomendado.

Você não tem ideia de quantas “fake News” engoliu, de quanta manipulação fizeram. A começar pelo Criança Esperança.

E a morte do Airton Senna. Já na pista dado como morto e eles entrando com Rubinho Barrichello ao vivo dizendo que estava pronto para substituir Senna, mas que o momento era de pensamento positivo.

E o anunciante bombando… e todos ali ganhando. Aliás, façamos Justiça: Airton Senna nunca achou que o LERDO era alguma coisa relevante. A amizade era com Schumacher. Quando o alemão começou na F-1 e provocou um acidente em que ele e Senna saíram da corrida, Senna indignado berrou com Schumi que ele “não precisava disso, tinha talento, mas daquele jeito não ia funcionar”. Schumi procurou Senna e pediu desculpas. Não teve condições de ir ao enterro de Senna. E quando bateu o recorde do brasileiro não conseguiu falar na coletiva de imprensa: só chorava.  Disse que se Senna não tivesse morrido, ele não estaria ali. E preferia não estar”. Que “sonoridade” nas pistas… O show tem que ter talento e afinação. Na Política, nas pistas, na música e na vida…

Que sonoridade já tivemos: até Frank Sinatra, o The Voice, se rendeu ao maestro Tom Jobim e adorava Dick Farney. Mas isso é  história e memória em vídeos e arquivos –  ouvi aqui e acolá. É música!

Aliás cada arquivo espetacular…

E depende de nós não deixarmos que invertam a ordem das coisas. Já pensaram Anita e Pablo Evitar nos anais da música.  Ou o último vencedor do programa na versão da “Engana Bobo” que foi se apresentar num clube  em Ilha Bela, litoral paulista, gritou o nome do Mula Deus Me Livre – o criminoso condenado à solta por aí –  teve que encerrar o show e sair às pressas do local. Desafinou…

Também não entrará nos anais da música.  Da música não… Aliás, esses tipos, nos anais, só no trocadilho mesmo!

PS: agora aumente o som, feche os olhos e respire fundo: a música alimenta a alma.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *