22 de fevereiro de 2024
Colunistas Joseph Agamol

Nós apanhamos mais que Rocky Balboa

Arte: Nikita Abakumov

Sim, bem mais que ele, em Rocky I, II, III, IV e VI. E não havia Adrian a nos esperar ao final.

Beijamos a lona um sem-número de vezes e ouvimos o juiz abrir contagem outras tantas.

Vimos nossa história passar diante dos olhos, até chegar a “9” e levantarmos um nanossegundo antes do “10”.

Quase não conseguíamos abrir nossos olhos inchados e grudados.

A vontade era sentar no corner e não levantar mais. Jogar a toalha.

Mas nós não desistimos. Nós levamos uma surra, uma tremenda surra, ficamos de joelhos, e quando doía cada músculo do corpo, quando doía a alma, quando doía a MENTE, quando simplesmente levantar e encarar tudo de novo parecia humanamente insuportável…

A gente foi e fez.

E agora que estamos ouvindo a trilha que toca ao final de cada luta, e podemos lembrar cada lágrima vertida como se sangue fosse, e muitas vezes ERA, eu desejo que cada fôlego que saia de nossos pulmões seja comemorado como prova de que, mais uma vez, nós simplesmente fizemos o que tinha que ser feito – e vencemos.

Nós vencemos.

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *