26 de fevereiro de 2024
Colunistas Joseph Agamol

A Uberista uruguaia

Foto: Arquivo Google – Revista Glamour – Globos

É impressionante a quantidade de estrangeiros que dirigem para o Uber. Hoje foi uma uruguaia.
Normalmente sou avesso a bate-papos aleatórios com estranhos na rua. Quem se arrisca – apesar da minha aparência não muito amigável, 1,85m, 90kg, mais de uma dezena de tatuagens – recebe como resposta uns grunhidos desencorajantes.

Pura timidez. Só os tímidos vão me entender. Cansamos de ter nossa timidez confundida com metidez. Me ajudem aí, tímidos: estou mentindo?
Mas eu falava da moça uruguaia do Uber.
Então. Contrariando minha retração natural, gosto de prosear com estrangeiros: só no Uber, já conversei com italianos, espanhóis, argentinos… mas uma uruguaia foi a primeira.
Ela lançou a isca e eu mordi logo:
– calor, né?!
– ah, eu moro aqui mas sou do Rio..: calor não me afeta não…
– ahhhhhh, tengo mucha vontade de conhecer o Rio!!!, assim, nesse portunhol macarrônico.
– então vá logo que aquilo tá acabando, viu?
– juuura? Como assim?
– você viu Mad Max? Blade Runner? The Walking Dead? Então. Mistura tudo, bata bem e vai ser o futuro do Rio.
Ela riu, eu ri, e eu arrisquei meu tema preferido, cauteloso:
– mas então… você pegou o governo do Mujica lá no Uruguai?
Ela fez cara de brava – o que lhe caiu bem, aliás, mas estava de havaianas e os pés não eram bonitos: não adianta, a mulher brasileira tem os pés mais bonitos do mundo – e esbravejou:
– mas se eu saí de lá por causa dele! Quando a Esquerda ganhou eu pensei logo em sair!
E aí começamos gostosamente a descer o malho na esquerda mundial, a elogiar o Bolsonaro, o Moro, e a viagem foi rápida e prazeroso.
Mas, só para não perder o hábito, lancei a derradeira provocação:
– antes de ir, não posso deixar de perguntar: qual o melhor alfajor? Argentino ou uruguaio?
Ela bufou, balançou os ombros, riu e bradou, tudo ao mesmo tempo:
– O URUGUAIO, lógico! Aliás, não é só o alfajor não: nosso doce de leite, nossa carne, é tudo melhor que da Argentina, tá bom?, finalizou, de um jeito bem brasileiro.
Eu ri, paguei e saí.
Não disse que prefiro o argentino, que minha mãe não criou um filho besta…

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *