23 de fevereiro de 2024
Veículos

Chrysler vai ressuscitar Airflow, ícone (fracassado) dos 1930’s

Em 1934, a Chrysler lançou nos EUA um automóvel que trazia um conceito até então inédito naquele mercado, o da aerodinâmica. Seu desenho arredondado e fluido fora desenvolvido com a ajuda de um túnel de vento, algo que nem passava pela cabeça dos projetistas da Terra do Tio Sam naqueles tempos, embora já estivesse na prancheta de alguns engenheiros automotivos europeus há tempos.

O Airflow (nas fotos acima) – esse era o seu nome – era completamente diferente de tudo o que se via nas ruas americanas até então. Tão diferente, que acabou não tendo sucesso, ainda mais em uma época em que os efeitos da famosa crise de 1929 ainda eram muito intensos. Embora tenha influenciado praticamente tudo o que a indústria automobilística iria produzir dali para frente, o modelo deixou de ser produzido em 1937.

Agora, o grupo Stellantis – ao qual pertence a marca Chrysler, entre outras tantas – anunciou que vai ressuscitar o Airflow, ou quase isso. Com o mesmo nome – Airflow – a marca apresentou recentemente o protótipo (acima) do que pretende que seja um de seus primeiro modelos de uma nova geração elétrica.

Como você deve ter notado nas fotos, além do nome, praticamente nada no Chrysler Airflow Concept lembra o seu polêmico antepassado. Ele até que tem linhas fluidas, mas é um SUV… Se bem que, naqueles anos 1930, a maioria dos carros – incluindo o Airflow Original (o antiguinho nas fotos) – tinha um perfil bem mais alto, parelho com o de muitos utilitários esportivos de hoje em dia.

Se o Chrysler de 1934 causou alvorosso e acabou se transformando num divisor de águas na trajetória dos carros de passeio, esse novo, embora bem bonito (eu gostei), não chega a trazer nenhum conceito, forma ou proposta realmente inédita. Mas, pensando bem, nesses tempos tão aborrecidamente conservadores, não ser “totoalmente diferente de tudo o que está por aí” até pode ser uma vantagem.

Segundo a montadora, o novo Airflow usará a plataforma STLA Medium, derivada da da EMP2 que é usada hoje no Peugeot 3008. O futuro carro contará com dois motores elétricos de cerca de 200 cv, chegando aos 400 cv de potência, terá tração nas quatro rodas e autonomia prevista para até 640 km. Com o vento contra ou a favor.

Fonte: Blog Rebimboca

Henrique Koifman

Jornalista, blogueiro e motorista amador.

Jornalista, blogueiro e motorista amador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *