21 de junho de 2024
Colunistas Walter Navarro

Camarão é a mãe, meu nome é lagosta!

Eu poderia estar dormindo, roubando, fraudando eleições, mas estou aqui, escrevendo, antes do jogo Brasil X Coreia do Norte, do Sul, sei lá; amanhã.

A Coreia, como todos os países do mundo, tem mulheres lindas e saborosas, mas paro este assunto gostoso aqui.

E não venham me chamar de alienado porque deveria estar na frente de algum quartel. Fiz minha parte, espero que o quartel, as Forças Armadas e meu amado Presidente façam a deles. Pelo jeitão estão fazendo e, mais que nunca, o melhor da festa é…

Gosto de futebol e amo a Copa do Mundo, no mínimo, porque o que é raro é caro; mesmo sem a Itália e com as girafas morrendo queimadas na Amazônia. Sigo as Copas desde 1978 e juro: não me chamo João, nem sequer nasci em Buenos Aires.

Quem tiver memória sabe que cantei a pedra. O Brasil perdeu para Camarões, como a França perdeu para a Tunísia; Alemanha e Bélgica voltaram para a casa.

A Argentina acordou, a França comprovou sua força e a Holanda está onde sempre esteve. E eu aqui esperando Inglaterra X Senegal. Na Copa das Zebras, aposto nada.

Vencerá a Copa quem for menos medíocre.

O Brasil merece ganhar, não pelo Pelé, mas pelo Neymar e pelo Bolsonaro. “Nosso” técnico? Um bosta, com cara e caráter de merda. Daqui a pouco volto ao estrume.

O Brasil, de verde e amarelo, ganhou da Sérvia e da Suíça que jogaram de vermelho. Perdeu para Camarões, que usou suas três cores. Meiões vermelhos, mas, o resto… Verde e amarelo.

A Coreia usa uniforme vermelho, mas cuidado! Tem detalhe azul. O mesmo azul que o Brasil lambuzou contra Camarões. Sem falar no “líder”, o Camisa 13. 13! Escrevi 13 e não 22!

Gostei da piada dizendo que o Brasil não dá sorte contra moluscos e crustáceos!

Ainda bem que o prato coreano mais popular é o Bulgogi, um churrasco marinado.

Camarão, em francês, é “crevette”. Em inglês, como aprendi no filme “Forrest Gump”, é “shrimp”.

O país, Camarões, em francês, é Camerun; em inglês, Cameroon. Por quê? Porque, para variar, os portugueses chegaram antes e pasmos, com a quantidade dessas delícias no meio do caminho, batizaram o lugar como “Rio dos Camarões”. Assim como fizeram com o Rio de Janeiro. Muito básicos e criativos, como sempre.

Finalmente, chegamos ao tema do dia. Por que o Brasil perdeu para Camarões, na sexta, e pode repetir a dose, amanhã, contra a Coréia do Sul e do Norte?

Porque o técnico é um petista imbecil. Mil perdões pelo pleonasmo.

Tite! Que apelido ridículo e insosso. Nada a ver com o nome dele. Adenor Leonardo; pode? Nome de alce velho…

Um cara que, há anos fazendo merda e depois do vexame de 2018, na Rússia, tem salário de um ou 1,5 milhão por mês, fora as mordomias. E colocando o filho, ainda mais incompetente, como assistente. Imaginem o salário do filhote…

De bobo e inteligente tem nada. Todavia, é mais um espertalhão, como todo petista Ladrão, um farsante e mais um pleonasmo.

Tite reza com o ditado: tem pé de porco, orelha de porco, focinho de porco e rabo de porco. Das duas, uma: ou é porco ou é feijoada.

Se Tite tem cara de idiota, pé de idiota, orelha de idiota, focinho de idiota, rabo de idiota, jeito de idiota e atuação de idiota; porco ele não é, muito menos feijoada.

Se ele fosse Agenor, como Cartola ou Agenor como o Cazuza, tudo bem. Mas Adenor Leonardo? Só pode ser… Um Adenor, com vergonha do nome.

Olhando a cara do Tite, por um segundo – mais não aguento – lembro-me do psiquiatra italiano, Cesare Lombroso (1835-1909).

A teoria lombrosiana “defendia a ideia da predisposição biológica do indivíduo à conduta antissocial, que chamou de criminoso nato. Ao estudar os traços faciais e as compleições corporais desses indivíduos, Lombroso contribuiu para a elaboração do sistema de identificação forense”.

Em outras palavras, para Lombroso, quem tinha cara de idiota era idiota, quem tem cara, voz, jeito e comportamento de ladrão é ladrão.

Hoje, esta teoria dançou, provou-se falha e falsa. É até racista, mas, sem querer, pode explicar coincidências entre idiotas e ladrões.

Em muitos outros casos, repito que “parecendo costuma ser. Parecendo, é”. Esta teoria rima com outra, também racista e cientificamente reprovada, o Determinismo.

Trocando em miúdos, o Determinismo determina que, se sou lindo e genial é porque nasci em Barbacena. E, se o Ladrão é Ladrão, vagabundo, canalha, criminoso e filho da puta é porque nasceu em Garanhuns.

Na verdade, eu poderia ser genial, lindo e natural de Garanhuns. Mas, o Ladrão ainda seria filho da puta, criminoso, canalha, vagabundo e Ladrão, mesmo nascendo em Barbacena.

Acontece que nasci em Barbacena e não sou ladrão…

Há anos, Nelson Motta escreveu uma interessante crônica, salvo engano, “Caras e Nomes”. O texto falava sobre como nomes e caras rimavam com crimes; tipo Inocêncio de Oliveira que, depois, virou piada como “Culpádio de Oliveira”.

Procurei esta crônica, nunca achei. Consegui o e-mail do Nelson Motta, perguntei e pedi uma cópia. Ele até me respondeu, mas dizendo que “não se lembrava dela”, kkk.

Assim, finalmente, volto ao técnico da CBF, nossa Máfia: Tite, “Otite”, “Peritonite”, “Bursite” e “Gonorreia”.

CBF! Quero ver a série da Netflix. Infelizmente, brasileira… onde, no mínimo, o Havelange é a cara do Zagallo, kkkk.

Além do técnico, se alguém conseguiu decorar; vejamos os nomes dos nossos jogadores, a começar pelo maior perna de pau, o tal de Bruno Guimarães! Isso é lá nome de jogador?

Nomes de craques são fortes, estranhos; apelidos como Pelé, Tostão, Rivellino, Caju, Romário, Zico, Nelinho, Gaúcho, Fenômeno, Hulk, Richarlison…

Vivi para decorar os nomes dos Supremos Abutres e não os da Seleção Brasileira.

Vou nem perder tempo e deixar este texto ainda maior, citando os jogadores, com a ajuda do Google. Os nomes dos reservas? Só contratando o Sherlock Holmes.

É Neymar e olhe lá! Por isso, não duvido que dê Coreia na cabeça.

Desde 2018, na Rússia. Desde Dunga, aquele anão intelectual – outra besta ambulante, que usava as roupas mais ridículas pra fazer propaganda da filha “estilista” – nosso futebol está mais decadente que a MPB.

Tite é tão hipócrita que, um dia antes de perder para Camarões, vangloriava-se dos reservas, alegando que são titulares em grandes times europeus.
Depois da derrota, ele justificou-se dizendo que Alemanha, França e Bélgica também perderam para “times pequenos”… Ora bolas! VTNC!

O critério de convocação, para este pacóvio, é jogar no exterior, o que inflaciona nomes medíocres que rendem muito, muito dinheiro para quem faz o “comércio de escravos”. Escravos milionários que não sabem driblar, cobrar uma falta e nem pênalti.

Veremos amanhã; por que África e Ásia não estão melhorando, é o Ocidente, cada vez mais decadente?

Mesmo assim, os fracos não têm vez: Inglaterra 3 X 0 Senegal.

O Chico César é um mala, mas tem um trocadilho genial: “deve ser legal, ser negão lá no Senegal”. Já no Catar…

Waltite é a mãe! Meu nome é Enéas!

PS: E sábado, que venha a Guerra dos 1000 anos, França X Inglaterra.

Walter Navarro

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *