22 de maio de 2024
Editorial

Propina, suborno, gorjeta e gratificação

Foto: Arquivo Google

O mais recente ataque à Lava-Jato, processo investigativo brasileiro, que tem levado alguns políticos e empresários à prisão, parte de um graduado agente do Judiciário. Em sua análise, propina seria gorjeta e deveria ser encarada de forma natural, como um prêmio. Certamente ele consideraria descaracterizar como propina o “agrado” pago até determinado valor. Risível.
Esse senhor parece se esquecer a quem de fato serve – melhor seria DEVIA SERVIR – , e que o valor desta “gorjeta” é proveniente de superfaturamento, cujo valor deveria ser convertido em hospitais e escolas para povo. Fica clara a necessidade de findar o maldito foro privilegiado.
Este fato, deu-se durante o pedido de revogação da prisão de Othon Silva, ex-presidente da Eletronuclear e condenado a 43 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa, o desembargador Ivan Athié – sim, você não leu errado, é desembargador mesmo -, referindo-se à Lava-Jato, fez uma cândida interrogação:
“Nós temos que começar a rever essas investigações. Agora tudo é propina. Será que não é hora de admitirmos que parte desse dinheiro foi apenas gratificação, uma gorjeta?”.
Isso soa como música melodiosa para os ouvidos dos encrencados na Lava-Jato e seus caríssimos advogados. Mas, como soará para a ministra Cármen Lúcia, presidente do Conselho Nacional de Justiça? Punição nele!
Este senhor quer nos fazer crer que as palavras gorjeta e propina têm o mesmo significado. Disse que em espanhol é assim, mas no nosso idioma, não é, desembargador!
Terrível esta tal de Língua Portuguesa. Corno é que uma pessoa de altíssima formação escolar pode sequer imaginar tal coisa. Pois bem, segue abaixo o significado destas palavras no Brasil segundo qualquer dicionário da nossa língua:
PROPINA — quantia em dinheiro que se oferece a alguém em troca de favor ou benefício ilícito;
GORJETA — quantia em dinheiro que se oferece a alguém como gratificação por um serviço lícito, bem prestado.
A diferença é apenas uma palavrinha que significa muito para nós e pouco para eles. Lícito e ilícito. Legal e ilegal. Pronto, alguma dúvida?
Num momento em que o país está tendo uma enxurrada de corrupção, ganância e desvio ilegal de dinheiro promovida em todos os escalões do poder público, a impressão social causada pela declaração é de que esse senhor quer amenizar a gravidade desse tipo de crime. Quem é honesto, jamais vai chamar propina de gratificação, mas sim de SUBORNO!
Na imagem abaixo, o chargista Ivan Cabral dá a sua opinião sobre o significado da palavra propina. Achei que veio bem a propósito:

Acho que o país está chegando ao fundo do poço da moralidade.

Valter Bernat

Advogado, analista de TI e editor do site.

Advogado, analista de TI e editor do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *