18 de abril de 2024
Colunistas Ricardo Noblat

Lula espera a passagem do carnaval para mexer no seu ministério

Tudo que parece sólido desmancha no ar

imagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva – faixa presidencial Janja ao lado – Divulgação

A impressão é que Lula escolheu com certo esmero as peças-chaves do seu governo, goste-se delas ou não. E depois, dada a complexidade da tarefa mesmo para um político experiente, como ele, ou por saber que tudo na vida é provisório, preencheu as demais vagas menos atento aos reais méritos de cada um.

De saída, serão 37 ministros. Lula teve menos de 60 dias para escalá-los, descontados aqueles em que viajou ao Egito e a Portugal e compareceu a cerimônias obrigatórias. Ademais, o número de aspirantes a entrar em campo foi extraordinariamente superior às suas expectativas e aos cargos disponíveis, daí sua ampliação.

O Congresso deu-lhe recursos para começar a governar; o Supremo Tribunal Federal aplainou o terreno ao limar o Orçamento Secreto, arma de Bolsonaro que satisfez o apetite do Centrão e afastou o fantasma do impeachment. Mas só quando o Carnaval passar é que ele Lula fará ideia de sua real força.

No próximo dia 2, Senado e Câmara dos Deputados elegerão seus presidentes, vices, secretários e integrantes de comissões técnicas. Até lá, o movimento das placas tectônicas produzirá mudanças em todos os cálculos sobre o tamanho do apoio com o qual contará o governo dentro do Congresso para reconstruir o país.

Em suma: com defeitos e virtudes, este foi o ministério possível dadas as circunstâncias. Em breve, ele terá de adequar-se à realidade que emergirá das urnas e das composições feitas no Senado e na Câmara. Lula sabe muito bem disso. Democracia para sempre é assim. E eleições, aqui, acontecem a cada dois anos.

Já estávamos quase, quase nos acostumando a um governante com vocação de ditador. Felizmente, com medo de ser preso, ele acabou em Orlando. Que descanse em paz!

Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *