5 de março de 2024
Ricardo Noblat

Haverá alguma saída ao juízo final?

temer_-_reuterMichel Temer, presidente da República (Foto: Reuters)

Sejamos sinceros e práticos: deve ser verdade, sim, tudo ou quase tudo o que foi contado até aqui em delações à Lava-Jato sobre a participação de Michel Temer em esquemas de arrecadação de recursos para o PMDB, partido que presidiu nos últimos 13 anos
É sabido pela humanidade minimamente informada que nenhum partido enfrenta eleições apenas com dinheiro do Fundo Partidário. Recebe-se dinheiro doado ou tomado de empresas e declarado à Justiça Eleitoral. E dinheiro não declarado, de Caixa dois.
Viola-se a lei quando se aceita dinheiro de caixa dois. Pois todos os partidos, absolutamente todos; todos os políticos, sempre ou em algum momento de suas vidas, receberam dinheiro de caixa dois. E omitiram da Justiça as despesas pagas com esse dinheiro.
A serem denunciados e punidos como deveriam, não sobrará nenhum. Seria um dos maiores julgamentos coletivos da História – 513 deputados federais, 81 senadores, fora ministros, ex-ministros, governadores e ex-governadores que a Lava-Jato pudesse alcançar.
Estamos dispostos a enfrentar tamanho desafio? Se estamos, adiante. E seja o que Deus quiser. Haveria outra saída? No quadro atual de dirigentes do país, não sei quem reuniria liderança e credibilidade para propor outra saída. Propor e ser escutado.
Os governos do PT apostaram no “nós contra eles”. O impeachment de Dilma aumentou a polarização. A herança deixada por ela é demasiadamente pesada para ser administrada por um presidente legítimo, mas carente de apoio popular e refém do Congresso.
Está nas mãos de Sérgio Moro e dos procuradores da Lava-Jato estabelecer ou não alguma alternativa ao juízo final.
Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *