13 de junho de 2024
Ricardo Noblat

Há 20 anos: Coordenação política do governo Lula é um lixo

O fato é que a coordenação política do governo Lula está um lixo – e só o prova uma vez mais a derrota, ontem à noite, na Câmara, por apenas cinco votos, da emenda que permitiria a reeleição dos atuais presidentes da Câmara e do Senado.

Recentemente, o Senado mandou para o ralo a Medida Provisória que acabava com os bingos e demais jogos eletrônicos. E, anteontem, o PL do vice-presidente José Alencar, em manifesto, bateu forte na política econômica do governo.

Se descuidar, o governo perderá em breve a parada da fixação em R$ 260,00 do valor do salário mínimo. Lula fez bem em deixar a votação do mínimo para depois do seu retorno da China. Ele embarca neste sábado.

O enfraquecimento da coordenação política do governo começou em fevereiro com o caso Waldomiro (funcionário da Caixa Econômica envolvido em corrupção) que atingiu o ministro José Dirceu, da Casa Civil. Lula pôs Aldo Rebelo, eficiente líder do PC do B na Câmara, para ser o coordenador político do governo.

Perdeu um bom aliado na Câmara e ganhou um coordenador fraco porque Rebelo atua à sombra de José Dirceu e é atropelado por ele frequentemente.

Ao reformar seu ministério em fevereiro último, Lula pôs como ministros Eduardo Campos, até então líder do PSB na Câmara, e Eunício Oliveira, então líder na Câmara do PMDB. Ganhou dois bons ministros. Mas perdeu duas peças vitais da coordenação política do governo na Câmara.

Quem responde hoje pela liderança do PT na Câmara é o professor Luizinho. Tem de simpático o que tem de pouco talentoso para o cargo. No Senado, o líder do governo, Aloisio Mercadante, trombou com o presidente José Sarney que gostaria de vê-lo pelas costas.

Resumo da ópera: o governo está de mal a pior no Congresso.
A saída parcial da confusão talvez passe pela devolução à Câmara do ministro José Dirceu que assumiria seu mandato de deputado federal e poderia suceder João Paulo na presidência.

José Dirceu quis ser chefe da Casa Civil. Foi ele que escolheu o cargo durante a formação do governo. Mas antes do anúncio oficial do ministério, mandou um emissário sondar Lula sobre a possibilidade de desistir da Casa Civil e virar presidente da Câmara. Lula disse não.

Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *