3 de março de 2024
Colunistas Ricardo Noblat

Eleições haverá, mas o dia seguinte poderá ser o pior dos dias

Bolsonaro passará à história como o presidente eleito que mais atentou contra a democracia

Presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa após o encontro com presidente do STF Luiz Fux 2
Igo Estrela/Metrópoles

Descarte-se, porque seria fazer o jogo dele e dos golpistas que o apoiam, a hipótese de o presidente Jair Bolsonaro ser considerado inelegível pela Justiça, tanto foram os crimes que cometeu, ficando assim impedido de disputar as eleições do ano que vem.

De resto, para isso, ele precisa ser denunciado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e a Câmara, sob o comando de Arthur Lira (PP-AL), conceder licença. Aras e Lira são aliados de Bolsonaro. Sem denúncia, a licença torna-se dispensável.

Dê-se por certo que daqui a 14 meses, a não ser que ele mesmo desista de concorrer, o nome de Bolsonaro estará nas urnas eletrônicas e caberá ao eleitor assinalá-lo ou não. Caso ele perca, aí, sim, é que as portas do inferno poderão se abrir.

Para quem se preocupa com ela, não basta derrotar Bolsonaro. Ele tem de ser esmagado para que seu apelo à rebelião produza menos estragos. Haverá estragos de qualquer jeito. Na marcha em que vamos, e que só a ele interessa, o dia seguinte será o pior dos dias.

Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *