30 de maio de 2024
Ricardo Noblat

Aécio na berlinda (Ou quando o feitiço se volta contra o feiticeiro)

Aécio Neves e Michel Temer (Foto: O Globo)

Em depoimento, ontem, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedito Júnior disse que a empreiteira, a maior do país, doou R$ 9 milhões em caixa dois para campanhas eleitorais do PSDB. Segundo ele, o pedido de ajuda foi feito por Aécio Neves, atual presidente do partido, e que em 2014 disputou com Dilma Rousseff a presidência da República.
O TSE investiga irregularidades havidas na campanha daquele ano da chapa Dilma-Michel Temer. Foi o PSDB, Aécio à frente, quem pediu ao TSE abertura de processo a respeito. O processo foi aberto depois que começaram a surgir indícios e provas de que houve, de fato, irregularidades. Se isso restar comprovado, o TSE poderá declarar Dilma inelegível e cassar o mandato que Temer herdou dela.
Conforme contou Benedito Júnior, a Odebrecht repassou R$ 6 milhões para serem aplicados nas campanhas de Pimenta da Veiga, Antonio Anastasia e Dimas Fabiano Toledo Júnior. Pimenta da Veiga foi candidato ao governo de Minas – perdeu. Anastasia se elegeu senador. E Toledo Júnior, deputado federal. Os outros R$ 3 milhões foram para o publicitário Paulo Vasconcelos, responsável pela campanha de Aécio.
Ficou para outra ocasião o detalhamento por Benedito Júnior da acusação de caixa dois contra Aécio. Ele não é investigado no processo que apura possíveis crimes ocorridos na campanha presidencial de Dilma e de Temer. Deverá ser em outro processo cuja abertura será pedida nas próximas semanas pela Procuradoria-Geral da República. Naturalmente, Aécio nega que tenha pedido ou recebido dinheiro de caixa dois.
A Lava-Jato deu seus primeiros passos antes da eleição presidencial de 2014. No início do ano seguinte, quando Aécio bateu às portas do TSE com o pedido de cassação dos mandatos de Dilma e de Temer, ele não fazia a mínima ideia do quanto longe poderia ir a Lava Jato. Muito menos de que ela poderia alcançá-lo. Tampouco que ele e Temer, um dia, se aliariam para tirar Dilma do poder. Pois foi o que aconteceu.
Aliados foram para aprovar o impeachment, aliados continuam para governar. Juntos na vitória. Juntos receosos com o que possa vir.
Fonte: Blog do Noblat 

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *