17 de abril de 2024
Saúde

Testoterona em mulheres

Alguns fatores que levam à diminuição da testosterona em mulheres jovens são: o estresse, o sedentarismo, o uso de anticoncepcionais e a alimentação irregular passando a apresentar sintomas como fadiga, falta de libido, ganho de peso, dificuldade no ganho de massa muscular.

Após a menopausa, a produção da testosterona cai significativamente, levando a uma piora desses sintomas. Muitas vezes a mulher queixa-se de um cansaço intenso, associado a um desânimo inexplicável e até uma depressão. Passa a tomar medicações com efeito em sistema nervoso central, como antidepressivos ou ansiolíticos, e não apresentam melhoras, necessitando de doses cada vez mais altas e sem grandes mudanças. Quando na verdade seu problema maior poderia ser uma simples deficiência hormonal que deixou de ser avaliada.

A testosterona em níveis ideais traz inúmeros benefícios.

A mulher se sente mais disposta no dia a dia e também para praticar atividade física, leva ao aumento da massa muscular, melhora libido sexual, ajuda a #emagrecer, eleva capacidade de memória, tem efeito antidepressivo, efeito cardioprotetor e aumenta massa óssea.

E vale ressaltar também que seu excesso pode apresentar sintoma em mulheres como aumento da acne, queda de cabelo, pele oleosa, alteração da voz e aumento de clitóris.

Atualmente ouvimos falar muito em reposição hormonal na mulher, trata-se de uma terapia muito efetiva para tratar a falta ou diminuição de alguns hormônios do nosso organismo, inclusive a testosterona.

Porém, devemos tomar cuidado. Uma avaliação rigorosa e detalhada deve ser feita pelo médico, para que o mesmo possa avaliar se de fato há uma deficiência desse hormônio e, assim, recomendar ou não a terapia de reposição com testosterona (TRT).

Apesar dos inúmeros benefícios da TRT, existem contraindicações, sendo que algumas são absolutas, ou seja, sob hipótese alguma deve-se fazer reposição com testosterona, por exemplo, se você tiver histórico pessoal ou familiar de câncer de mama ou útero.▫️▫️▫️

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *