20 de maio de 2024
Rodrigo Constantino

Entenda a importância do colégio eleitoral americano contra a “democracia pura”

Ver brasileiros, repito: brasileiros atacando a democracia americana, porque o resultado foi contrário ao que desejavam, já é ridículo o suficiente. Afinal, temos sete constituições nas costas, Lula e Dilma como os presidentes mais recentes, palhaços, traficantes, corruptos aos montes e coronéis tiranos da pior espécie eleitos em nosso país.
Os Estados Unidos? Bem, eles estão com a mesma constituição há mais de dois séculos, com poucas emendas, e nunca tiveram regimes tirânicos. E o pior dos presidentes recentes, vaga disputada por Jimmy Carter e Obama, parece um gênio perto de Lula e Dilma!
Mas em vez de dar mais crédito aos “otários” americanos, os “malandros” brasileiros se sentem no direito de apontar o dedo e dar aulas, ensinar o padre a rezar a missa – justo aquele “malandro” que votou em Lula, em Dilma e no Freixo, no caso carioca, o mais grave de “malandragem”.
Eu dizia que um brasileiro típico dando lições de democracia a um americano já era ridículo o suficiente. O que dizer desse pessoal que não faz a mais vaga ideia do que seja o tal colégio eleitoral e para que ele serve, e está repetindo por aí que Hillary venceu? A turma que não sabe a diferença entre democracia e república e vive na América Latrina vai explicar aos idiotas dos americanos como é que se constrói uma nação próspera e livre? É isso?
Sei que esses idiotas sequer vão ver o vídeo abaixo, pois não querem aprender nada, apenas repetir os slogans vazios e as ladainhas de seus professores marxistas. Mas aos neutros ofereço essa pérola do Pragger U., com legenda dos Tradutores de Direita, que explica perfeitamente a importância do sistema para impedir populistas (ou ao menos populistas ainda piores):

voto

Globalização x Globalismo – Vídeo

Explico as enormes diferenças entre globalização e globalismo, tomando como pano de fundo a vitória de Trump e do Brexit, e aproveito para mostrar a incoerência da esquerda que ataca e defende o protecionismo ao mesmo tempo, dependendo das circunstânci

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *