Advogados e a Carta Magna

Eu conheci advogados cultíssimos. Não apenas RESPEITAVAM a Carta Magna, como estudaram e falavam grego e latim.

Imagem meramente ilustrativa – Google – Conhecimento Científico R7.com

A cultura dos modernos rábulas, que infestam os tribunais superiores por nomeações políticas, é predominantemente de ouvido, como costumo dizer. Ouviram cantar o galo, mas não sabem aonde. E mal falam português. É como gente que discute um livro depois de ler a orelha.

Por exemplo, a expressão “tirania da maioria” é um “embelezamento“ do termo que está na moda para a esquerda globalista, de oclocracia, do grego oclokratía, também conhecido com vulgocracia — preponderância da PLEBE (ignara) no governo ou no poder. Significa “opressão popular”.

A primeira referência a este conceito deve-se a Sócrates, num dos seus diálogos na obra Górgias, que foi escrita por Platão.

O conceito de “Tirania da Maioria” de Sócrates (e Platão) foi depois adotado por outros autores . Em 1788 , por John Adams, em 1835 por Alexis de Tocqueville em “Democracia na América“. Em 1859 tornou-se popular quando John Stuart Mill citou Tocqueville em “On Liberty“. Em 1787, o “Federalist Papers“ classifica de tirania da maioria “a força superior de uma maioria interessada e arrogante.”

A explicação mais correta da expressão foi a de Lord Acton:

O principal mal que permeia a democracia é a tirania da maioria, ou melhor, daquele partido, nem sempre maioria, que consegue vencer eleições por força ou por fraude.

Original (em inglês): The one pervading evil of democracy is the tyranny of the majority, or rather of that party, not always the majority, that succeeds, by force or fraud, in carrying elections.

Como vemos, o termo foi manipulado e distorcido, contando com a ignorância do povo, que essa gente menospreza e pisa em cima, pois tem ojeriza a voto popular não fraudado. E esqueça essa conversa fiada de preocupação com minorias oprimidas. Se a minoria não é de esquerda, pode esfolar e matar que o silêncio é absoluto.

Regimes e indivíduos autoritários não admitem a democracia. A manipulação é tão rasteira que estava com preguiça de escrever sobre ela. Tive de fazer um esforço, porque com a educação Paulo Freire, muita gente boa nem percebe que na verdade estão usando o velho lema: acuse-os do que você faz. Ou usam mentiras que parecem verdade.

[Com várias fontes, inclusive Wikipedia]

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *