13 de junho de 2024
Colunistas Junia Turra

Menos teoria, mais atitude

Menos conspiração, mais ação.

Além do laudo pessoal técnico sobre o episódio, o que fizemos efetivamente?

Aqui da Europa podemos organizar doações de roupas e sapatos de inverno. O frio está chegando ao Sul. E eletrodomésticos, pratos, panelas, brinquedos, livros e até gente especializada pra ajudar…

Mas, mãos e apoio têm sido impressionantes vindos de uma boa parte da nossa população.

Então…

Quem faz o trâmite para isso?

Para enviar mais doações, do exterior, e para que cheguem sem atravessadores?

Cadê a Cruz Vermelha Brasil? Aquele diretor brasileiro da instituição roubou milhões…

Empresas aéreas, de transporte…

E aí Elon Musk…

Schwab, “wo bist Du” ?
HAAAARP…???
Faaaarc…???

CHEGAaaaa!

PLANEJAMENTO DIABÓLICO? Que chatice!

São filhos da “parteira” mesmoooo.

É tudo mais simples do que se imagina. O diabo gosta de usar o dinheiro dos outros, mas para ele mesmo.

Tem maneiras tão simples de destruir.

Precisa de algum tempo.

Mas o investimento dá retorno.

O que aconteceu?

Deixaram ruir…

Demoraram quase duas décadas pra terminar um único viaduto na ligação do entorno de acesso a Porto Alegre, e iam investir em “nuvens”?

O plano foi sucatear.

Sabe o que é sucateamento?

Acertou…

E as nuvens? Fato!

É possível “vacinar” as nuvens – termo usado em inglês: “Cloud seeding”.

Mas onde está a “estação”, a base para implementar essas nuvens? Desnecessário!

Pra que jogar dinheiro fora?

Melhor distribuir, desviar e sucatear.

O assoreamento de rios, extração indevida, invasão de áreas e ocupação desordenada. Falta de saneamento básico, e o poder público cobrando impostos e dando uma de Zeca Pagodinho: “Deixa a vida me levar…”

O “Projeto negligência, sucata & patifaria” é global sim!

Os eventos do clima acontecem. E eles já criaram o planejamento sistêmico para o caos.

Tragédia na Alemanha (2021)


Pelo menos 48 horas antes, a previsão do tempo mostra o que estava por vir.

As autoridades da Holanda, Bélgica, Alemanha e Áustria sabiam do mau tempo e do que poderia ocorrer com o rio Ahr, no vale do Ahrtal.

Evacuaram áreas, se prepararam para ações nos diques e comportas.

Nada aconteceu em 3 países, mas…

As autoridades alemãs ficaram caladas.

O silêncio matou milhares de pessoas e várias vilas e cidades sumiram do mapa em Rheinland-Pfalz e Nordheim-Westfalen, no extremo oeste do país.

O governo não avisou à população.

A tragédia destruiu vilas e cidades com um número incalculável de mortos e desaparecidos. Impediu a entrada de grupos de médicos.

E, ao invés dos grupos especiais para atuar em tragédias, MerDel e sua trupe foram até o local, rindo…

Ah… mas foram corretos enviando funcionários para que “os sobreviventes, mortos e desaparecidos” tomassem no bracinho”.

Desculpem a ironia indignada.

No Rio Grande do Sul fizeram igual!

Resumo da ópera:

O desastre ambiental provocado é patrocinado pelos grandes nomes que tentam impor a Pauta Ambiental e usam os empregados deles, pagos por nós, aqui, ali e acolá.

A guerra na Ucrânia, incêndio em ilha de nativos do Havaí, extração de lítio em países africanos, em nome do meio ambiente (Níger, Burquina Faso) , em Minas Gerais, a área de Extração da Vale do Rio Doce e coligadas (lembrem de Brumadinho, Mariana e um episódio em Ouro Preto).

E o oeste da Alemanha – debaixo d’água em 2021 , sul do Brasil debaixo d’água em 2024.

Moral da história:

Quem paga, cobra!

Se não cobra, corre o risco de quem recebe passar a ser dono e mandar em quem paga.

PS: Leia o primeiro parágrafo. Nos ajude a ajudar o RGS.

Junia Turra

Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *