8 de agosto de 2022
Colunistas Junia Turra

A Máscara mascara as más caras

Obrigar alguém a usar máscara é uma forma de intimidar o indivíduo. Mordaça, focinheira. Dá uma sensação de sufocamento, dificuldade de respirar . E no caso desse Covid-19, não resolve nada. Ainda diminui a imunidade, ali respirando o próprio ar viciado como se estivesse numa bolha. E ainda pode passar mal.
E o vírus não vingou. Tem mais gente morrendo pela falta de atendimento médico em todos os tipos de enfermidades.
Aliás, vírus? Que vírus? Tem vírus mais virulento na rua com máscara na cara e fantasiado de Antifa num Carnaval fora de época.
E a folía continua com agenda global na avenida.
Entra o bloco do “Black Lives Matter”.

Performance que incluí saques, furtos, depredação, violência , destruição. Mortes para protestar contra uma morte.
Máscaras que dificultam a identificação de bandidos que ainda recebem para sambar e sapatear na cara dos palhaços que perderam tudo.
Mas os números mostram.
As chances de um criminoso branco morrer nas mãos de um policial americano é 25% maior do que se o criminoso for negro. No ano passado a polícia matou 9 criminosos negros e 19 criminosos brancos.
Os negros representam 13% da população americana e os brancos 60%, mas o que interessa é a porcentagem dentro da população de criminosos.
Os negros cometem mais de 50% dos homicídios e de crimes violentos no país.
Na verdade “Black lives don’t Matter” para esses mascarados amontoados destruindo tudo. “No live Matters” para eles. Apenas a sobrevivência política dos que financiam o espetáculo de horror que eles representam como fantoches e bonecos de ventríloquo.
Os vídeos abaixo podem ilustrar melhor o que acabei de escrever. Vejam!

Publicado por Junia Turra em Segunda-feira, 8 de junho de 2020

Publicado por Junia Turra em Segunda-feira, 8 de junho de 2020

author
Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.