24 de abril de 2024
Colunistas JR Guzzo

Visita de Macron reflete a hipocrisia da guerra europeia contra o agro brasileiro

Ainda há pouco, o presidente da França esteve por aqui fazendo sermões sobre a necessidade urgentíssima de salvar o planeta da destruição que lhe está sendo imposta pelos produtores rurais brasileiros.| Foto: Reprodução/X/Emmanuel Macron

Relações diplomáticas não são uma atividade recomendada para o exercício da sinceridade, mas chama a atenção o exagero de hipocrisia que se pratica hoje nas chancelarias da Europa em relação à agricultura e à pecuária do Brasil. Ainda há pouco, o presidente da França esteve por aqui fazendo sermões sobre a necessidade urgentíssima de salvar o planeta da destruição que lhe está sendo imposta pelos produtores rurais brasileiros.

É a religião oficial da diplomacia, da política e da elite europeias. O Brasil “não acompanha as exigências ambientais” que os agricultores da Europa, do Canadá e de outros paraísos ecológicos são obrigados a obedecer. Ou seja: o agro brasileiro faz “concorrência desleal”, destrói o meio ambiente e envenena as pessoas.

O pensamento único dos governos, grandes empresas e universidades da Europa aumenta, ano após ano, a bateria de restrições aos produtos da atividade rural no Brasil. Para serem exportados, precisam de certidões de inocência a respeito de tudo: não podem vir de áreas que foram “desflorestadas”, ou perturbar a “cultura indígena”, ou envolver “trabalho infantil”, afetar o cerrado ou estressar os bagres do Rio Xingu.

O Brasil é sistematicamente acusado de delinquência ecológica pelos países ricos. Não tem nada a ver com o meio ambiente. Tem tudo a ver com a guerra contra o agro brasileiro.

Nada disso tem impedido a produção do campo no Brasil, cada vez mais, de aumentar, melhorar e tornar-se mais competitiva nos mercados mundiais. Também não tem impedido, de outro lado, que a agricultura e a pecuária da Europa continuem no seu longo processo de decadência. O fato, no mundo das realidades, é que a crise do campo nos países europeus tem a ver com a legislação cada vez mais destrutiva que os governos adotam contra os seus produtores rurais – e não com o Brasil.

A verdade é que o Brasil tem uma ficha cada vez mais limpa em relação ao seu comportamento ambiental – enquanto as nações europeias, que destruíram o seu meio ambiente há séculos e praticamente eliminaram ali a vida natural, exigem que o agro brasileiro faça hoje mais do que elas jamais fizeram. Quem sabe, se a agropecuária brasileira se tornar tão cara quanto é na Europa, o setor rural europeu consiga equilibrar a competição?

Uma das demonstrações mais flagrantes da hipocrisia ambiental da Comissão Europeia é a sua decisão de eliminar a exigência de que os agricultores deixem 4% de sua terra reservadas à preservação. Nem 4%? Nem isso. No Brasil, a área que os produtores rurais não podem tocar em suas propriedades é cinco vezes maior, ou 20% da terra. Isso no mínimo: as porcentagens vão subindo de acordo com as caraterísticas da área cultivada, e chegam a 80% na Amazônia, essa mesma que eles dizem que estamos devastando.

É tudo um jogo sujo. O Código Florestal brasileiro, um exemplo mundial de legislação eficaz e inteligente para a preservação da natureza, faz que o Brasil continue, em pleno século XXI, a ter as maiores florestas nativas do mundo. Mas o Código não é reconhecido pela Europa, e o Brasil é sistematicamente acusado de delinquência ecológica pelos países ricos. Não tem nada a ver com o meio ambiente. Tem tudo a ver com a guerra contra o agro brasileiro.

Fonte: Gazeta do Povo

J.R Guzzo

José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

author
José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *