14 de julho de 2024
Colunistas JR Guzzo

Lula substituiu a realidade por delírios, alucinações e disparates

O presidente Lula reclamou da Vale e afirmou que empresas precisam se conformar ao “pensamento de desenvolvimento do governo”.| Foto: André Borges/EFE

O problema de Lula não é que ele mente – para ele próprio, pelo menos, obviamente não é. O presidente, desde o primeiro dia na política, fez uma aposta que deu certo: o meio que mais funciona para o sujeito ter sucesso nesse tipo de vida é não falar a verdade nunca, sobre nada, todas as vezes em que há a possibilidade de mentir.

Age assim há 40 anos, e nesse tempo foi três vezes presidente da República, convenceu boa parte do mundo que é um campeão dos pobres e saiu da cadeia, onde cumpria pena por corrupção passiva e por lavagem de dinheiro, com a fama de mártir.

Os circuitos mentais do presidente da República não registram mais as percepções racionais – só existe, na sua cabeça, o que ele diz para si mesmo.

O problema é que o Brasil tem hoje na sua Presidência um cidadão que saiu da vida racional para afundar num distúrbio psiquiátrico permanente. Não reage mais à argumentação lógica. Fechou-se num mundo que não faz nexo, e no qual delírios, alucinações e disparates substituíram a realidade.

Em seu último surto, Lula negou que tivesse igualado o Holocausto nazista, no qual 6 milhões de pessoas foram exterminadas em câmaras de gás, à atual campanha militar de Israel em reação ao terrorismo “palestino”. Mas como assim, se ele fez exatamente isso, e se orgulha de ter feito? Lula disse em público, letra por letra, o seguinte: “O que está acontecendo na faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler mandou matar os judeus”.

A matança a que Lula se refere é exatamente o Holocausto; até uma criança de curso primário sabe disso. Mas como ele não se lembrou de usar a palavra “holocausto” na sua acusação – ficou só no “Hitler” e nos “judeus” – resolveu dizer, de repente, que a “interpretação” de suas palavras pelo governo de Israel “é intelectualmente desonesta”. Aí não é mais mentira, ou cinismo. Agora já é psicose.

Os circuitos mentais do presidente da República não registram mais as percepções racionais – só existe, na sua cabeça, o que ele diz para si mesmo e para o resto da humanidade que existe. Lula vive cercado, dia e noite, pelo maior e mais opaco cordão de puxa-sacos jamais formado na história política do Brasil. Ou seja: a possibilidade de que alguém aí diga alguma coisa a ele está entre o zero absoluto e a integral do zero.

Muita gente que vive dentro dessa turma, é claro, já entendeu que Lula não vai estar aí para sempre. Estes, mais ou menos discretamente, tratam de cuidar do seu angu. Enquanto isso, o Brasil que se exploda.

Fonte: Gazeta do Povo

J.R Guzzo

José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

author
José Roberto Guzzo, mais conhecido como J.R. Guzzo, é um jornalista brasileiro, colunista dos jornais O Estado de São Paulo, Gazeta do Povo e da Revista Oeste, publicação da qual integra também o conselho editorial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *