24 de abril de 2024
Colunistas Joseph Agamol

Reflexões sobre o cabelo da mulher

Tive uma amiga que dizia que o cabelo era sua maior zona erógena – e lamentava que os homens que se aproximavam dela não percebiam isso.

O cabelo é tão importante no mundo feminino que acho que a mulher deveria ter um dia de licença, garantido na Constituição, para ficar em casa – em um eventual bad-hair-day…

Não é à toa que muitas mulheres chamam suas cabeleiras de “juba”. Ao buscar a identificação com leões, é como se assumissem, simbolicamente, sua realeza. O cabelo é como se fosse a coroa de uma mulher. Tão bonito quanto – e quase tão caro para cuidar…

Para uma mulher de cabelos longos, lavá-los é um ritual complexo: praticamente um trabalho de ourivesaria. Não reclame da demora. A natureza leva séculos para formar uma ostra.

Reparem que todos os símbolos atávicos ligados ao cabelo das mulheres remetem à beleza, perfeição e majestade: juba, coroa, joias…

O cabelo de uma mulher é muito mais do que um mero adereço: é uma linhagem, um título de nobreza, que às vezes passa de mães para filhas – e pelos quais elas zelam ciosamente.

Um dos melhores perfumes do mundo é o cheiro de um bom xampu em longos cabelos molhados.

Tome cuidado ao tocar os cabelos de uma mulher: muitas vezes, é como tocar sua alma. Toque-os como você alisaria o pelo de uma leoa: se ela autorizou, com delicadeza.

Se não, melhor se preparar para correr…

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *