24 de abril de 2024
Colunistas Joseph Agamol

O dia em que eu deixei de ser contratado por ser carioca

Essa não contei pra vocês, amigos e vizinhos. Acho que uns poucos sabem, aqueles que privam do duvidoso prazer de conversar comigo no WhatsApp. Então.

Uma breve contextualização: sou carioca, nascido e criado na região do German’s Complex, mas versado na geografia sebastiana, palmilhando da zona sul à Baixada, tendo como residência mais recente o bairro da Lapa – até vir morar aqui no interior de SP, há quase 8 anos.

Passei perrengues por falta de emprego – passo até hoje, na verdade. Várias entrevistas frustradas – faz parte do jogo, ok. Mas guardo uma em especial.

Fui chamado em uma escola. Meu currículo agradou. Experiente em vários graus do ensino. A coordenadora conversou comigo, acertamos turmas, salário e dias. Faltava só conversar com a coordenadora- chefe. Pois bem.

A dona chegou, sentou na minha frente e falou sobre a escola, sobre a linha didática, etc. etc. etc. E me pediu para falar a meu respeito.

Eu praticamente não concluí duas frases. Aos primeiros “chiados” característicos do sotaque da mui hermosa cidade do Rio de Janeiro, a senhora agradeceu, polida e friamente, e encerrou a conversa.

Nunca fui chamado.

Essa pequena história foi o corolário – ou a gota d’água, como queiram – que me tornou absolutamente intolerante ao preconceito contra os nascidos no Rio. Aliás, sou intolerante a qualquer tipo de preconceito, mas esse me afeta diretamente.

Portanto, caso passe na minha frente qualquer tipo de manifestação em que eu detecte esse abominável sentimento, a pessoa será imediatamente excluída da minha lista.

Os preconceituosos que desejarem me poupar o trabalho, podem fazer as honras da casa.

Sem mais.

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *