23 de fevereiro de 2024
Colunistas Joseph Agamol

As pessoas me perguntam se eu acho que houve fraude

Imagem: Google Imagens – Diálogos do Sul – UOL

Eu respondo que acho possível, sim, afinal, estamos no Principado do Bananistão, terra onde a grama pode ser azul e o céu verde.

Se eu acredito que a fraude, se tiver acontecido, definiu a eleição? Não. Não acredito. Nesse caso, a eleição seria definida já no primeiro turno. E, se tivesse havido essa fraude gritante, por que razão não estendê-la um pouco mais e fazer o PT ganhar também em São Paulo, a joia da Coroa, cujo governo os petistas jamais deixaram de almejar – e jamais conseguiram conquistar? Hein?

O que eu acredito, e por mais duro que seja encarar essa verdade, é que uma boa parcela de brasileiros escolheu votar no Molusco, por diversas razões: por ele ter um projeto de país com o qual essa parcela se identifica mais, ou por acreditar que sua vitória lhe trará vantagens pessoais, ou mesmo por abominar o atual presidente.

Uma outra boa parcela resolveu não votar nem no Molusco, nem no Biroliro. E a união dessas duas parcelas decretou a derrota do Bolso. Ponto. É nisso que acredito.

Parece incrível para mim aceitar que alguém possa escolher o Molusco em vez do Bolso. Mas não posso ser arrogante a esse ponto. Minha escolha sempre foi o Biroliro. Outros não veem assim. Infelizmente.

Fiz minha parte para eleger Bolsonaro em 2018. Fiz minha parte para apoiá-lo durante seu mandato. Fiz minha parte para tentar reelegê-lo. E agora vou fazer minha parte para tentar, mais uma vez, tirar a esquerda do poder, daqui a 4 anos.

Acho que vai ser até divertido. Há agora, como nunca antes na história desse país (hahaha) uma multidão de pessoas que buscam informação por si sós e estão preparadas para fiscalizar o governo e não será fácil enganá-los outra vez.

P.S.1: Não sejam entediantes: não tentem mostrar prints, vídeos, que provêm qualquer coisa. Se houver uma prova oficial, via Forças Armadas, acreditarei.

P.S.2: Pessoas malcriadas enchendo os pacovás nos comentários terão os mesmos excluídos, sem delongas. ‘Cês sabem que não bato palmas para maluco dançar.

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *