24 de abril de 2024
Colunistas Fernando Gabeira

Um país em conflito

Num artigo sobre pesquisas, mencionei a polarização política como dado constante e crescente no país. Apenas esbocei a necessidade de atenuá-la. É preciso reconhecer que a polarização de certa forma interessa a algumas forças políticas, mas não só a elas. O país rigidamente dividido cria uma espécie de zona de conforto onde, não importa o que se defenda, sempre será bem-visto quem favorecer um dos lados. Criar, portanto, estreitas superfícies de contato em que se possa desenvolver algo em comum é muito difícil e, além do mais, desperta a suspeita de que se está sutilmente trabalhando para um dos lados.

No entanto existe uma infinidade de circunstâncias em que uma espécie de unidade nacional aumenta o potencial do país. Não me refiro apenas aos possíveis inimigos externos que inspirem uma defesa nacional. Parto de situações mais simples, como a epidemia de dengue. No estágio atual, não se pode contar principalmente com vacina. É preciso limpar as casas e desenvolver iniciativas de vizinhança que localizem problemas nos terrenos baldios, residências abandonadas. É preciso um nível mínimo de convivência respeitosa para realizar um trabalho assim.

Da mesma forma, iniciativas de vizinhança podem aumentar a segurança de suas áreas. Não proponho que substituam as polícias, nem que criem comitês de defesa ou coisa parecida. Discussões permanentes, acordos, medidas comuns, troca de informações, tudo isso cria uma cultura que torna mais eficaz e também monitorado o trabalho policial.

Lembro-me de estar viajando de ônibus em Israel e, subitamente, o motorista parar e sair correndo para apagar um incêndio na margem da estrada. Ele se sentia responsável, achava que era sua tarefa iniciar o combate ao fogo.

Outro aspecto que me parece importante é a preparação das comunidades para eventos extremos oriundos do aquecimento global. É preciso que estejam treinados, que conheçam os moradores vulneráveis, que armazenem pequenos barcos, enfim, algo parecido com o que fazem os japoneses. Isso também torna-se possível quando há um nível razoável de convivência.

Tenho uma querida amiga que é petista. Suas bananeiras dão frutos que caem no quintal da vizinha. Elas brigam na Justiça por isso, por causa de bananas. A amiga diz que é coisa de bolsonarista; provavelmente a vizinha responde que petistas não podam suas árvores. A verdade é que tanto Bolsonaro como o PT nada têm a ver com isso, não há o mínimo vestígio em seus programas sobre a evolução dos cachos de bananas.

Quantos episódios não estão artificialmente politizados? Quantas amizades não se romperam, quantas famílias não se falam com medo de a política irromper na mesa de jantar?

Parece quixotesco remar contra a polarização excessiva. É assim nos Estados Unidos, está ficando assim na Europa. Acontece que, nos países do Norte, existe um fator ausente aqui: os grandes fluxos migratórios. Os estrangeiros passam a ser uma espécie de linha divisória, despertando o medo de perda de emprego, violência urbana.

O Chega cresceu em Portugal com discurso contra imigrantes e contra a corrupção. Este último fator tem peso na polarização brasileira, mas é muito mais fácil de ser superado, a partir de um denominador comum: a tese aceita por todos do aumento da transparência.

As diferenças políticas na sociedade brasileira, como em todas as outras democracias, continuarão a existir. Mas é preciso determinar um ponto em que passam a ser prejudiciais aos dois lados e, consequentemente, ao próprio país.

Não é um caminho fácil insistir nessa tecla. Mas tenho algumas razões para supor que isso é possível, por meio da repercussão do meu próprio trabalho. Sempre que tentei, de uma certa forma, deu certo.

Artigo publicado no jornal O Globo em 18/03/2024

Fonte: Blog do Gabeira

Fernando Gabeira

Jornalista e escritor. Escreve atualmente para O Globo e para o Estadão.

Jornalista e escritor. Escreve atualmente para O Globo e para o Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *