21 de maio de 2022
Ricardo Noblat

Censura, não!

De volta ao passado
A escola de samba Paraíso do Tuiuti é a quinta a desfilar no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, durante o desfile das campeãs. Vampiro aparece sem a faixa presidencial – 18/02/2018

Vampiro Temer de gravata (Ellan Lustosa/Código 19/Folhapress)

Essa gente não aprende nem com a História. Em 1989, Dom Eugênio Sales, cardeal do Rio, pediu e obteve da Justiça a censura ao carro alegórico da Beija-Flor que representaria o Cristo Redentor cercado de mendigos. A criação do carnavalesco Joãozinho Trinta tornou-se famosa.
O carro alegórico da Tuiuti que mostrou o presidente vampiro não precisava da ajuda do governo para ganhar fama. O governo resolveu ajudá-lo assim mesmo pressionando a escola a tirar a faixa presidencial do vampiro no desfile das campeãs do Rio.
A faixa deu lugar a uma gravata. O assunto virou o tema do dia nas redes sociais. E o governo, para variar, apanhou muito, e continuará a apanhar. Bem feito. Quem mandou ressuscitar velhos métodos de tristes e de tenebrosos tempos passados?
Censura não é só o que encontra amparo em leis de exceção. É também o que se manifesta por meio de pressões, sugestões ou apenas conselhos como foi o caso. Pressionada a suprimir a faixa do presidente vampiro, a escola tão cortejada por seu enredo crítico não deveria ter se curvado.
Fonte: Blog do Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.