Não sou politicamente correto

Essa onda em que vivemos a décadas do politicamente correto está esterilizando mentes e deixando a todos com cheiro de sala de cirurgia.

Os pensamentos estão esterilizados.

O pior é que na esteira dessa onda de falso moralismo surgem os oportunistas e demagogos para tirar suas vantagens.

Hoje, tanto se fala em cotas, em leis específicas para esse ou aquele grupo.

Esse comportamento só divide nossa sociedade e cria-se os famigerados guetos. Gueto dos gays, gueto dos negros, gueto dos pobres, gueto dos índios, gueto das mulheres e por aí vai.

Numa sociedade avançada em seu processo civilizatório essas medidas soam como redundantes e demagógicas.

Todos esses grupos têm em comum pertencerem a uma mesma espécie, espécie humana, e, portanto, não vejo o porquê de leis diferenciadas.

Existem as leis, é só cumpri-las.

Imagem: Google Imagens – Pimenta no Café

Se alguém for desrespeitado ou agredido por suas escolhas, seja lá de que origem ou etnia for, cumpra-se a lei.

O código penal tipifica todas as agressões ou ofensas como crimes, sem especificar se é mais grave contra um do que a outros.

Lógico, na prática, não é assim que funciona, então, essa é a questão, façamos com que se cumpra a lei e não fiquemos a mercê de demagogos de carteirinha explorando a ignorância e boa fé de muitos que, inadvertidamente, contribuem na formação de guetos que servem como mananciais eleitoreiros para políticos inescrupulosos e ordinários.

Não preciso ser mulher ou índio, ou ainda negro ou evangélico, para dizer e defender claramente os direitos dessas pessoas de professarem suas opções livremente.

Precisamos de educação e não de leis.

Precisamos de valores morais e éticos e não de leis.

Precisamos espiritualizar nossos ações e não de leis.

Leis, já existem em abundância, o que não temos, é quem as faça valer.

Vejo as pessoas com mêdo de se posicionarem por recearem as consequências de suas posições.

Penso, que ninguém tem de dormir com quem não quer.

Ninguém deve entrar em templos ou orar o que não crê.

Ninguém deve querer apoiar casamentos do mesmo sexo se não concorda, mas, todos devem respeitar as diferenças fora do seu universo particular.

Sei que é um assunto polêmico e de várias interpretações, o que também, respeito. Mas, como escrevi acima, acho essa falta de posicionamento de ideias, muito perigoso, e essa, é a minha posição.

Sinto falta de pessoas livres, sinto falta de pessoas corajosas para dizerem o que pensam, sinto falta de pessoas que com suas atitudes mudem o mundo ao seu redor.

Estou de saco cheio dos coitadinhos e dos omissos.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *