24 de julho de 2024
Colunistas Yvonne Dimanche

Cloroquina: sim ou não?


Amigos, não sou médica e nunca me interessei por absolutamente nada que diga respeito ao corpo humano. Então vou dar o meu pitaco, já que agora todo mundo entende de saúde.
Conheço duas pessoas que tomaram cloroquina bem no início da doença e se deram bem. OK, palmas para esse remédio.
Por outro lado conheço outra que tem lúpus e mesmo antes de começar essa pandemia começou a ter problemas de visão. O seu médico disse que era um dos efeitos colaterais. Vejam bem, esse remédio é um dos indicados para essa doença.
Alguma pessoa com um pingo de lucidez vai deixar de tomar um remédio que possa ser curada só para fazer birra com o presidente? Eu não vou. Se me mandarem comer merda, eu comerei com prazer.
O problema não é o sucesso ou o perigo de um medicamento. A questão é se esse remédio é totalmente seguro para todas as pessoas. Então, façamos testes não só com a cloroquina, como também com outros remédios.
Lembrem-se que a cocaína já foi indicada no início do século passado para cura de doenças.
Lembrem-se também que existem milhares de pessoas nos States viciadas em analgésicos (até hoje não entendo isso).
Lembrem-se (desculpem o tanto de lembrem-se) que a maconha, droga bicho-papão, é receitada para doentes com câncer lá nos States e o seu extrato, que não vicia, está curando uma série de doenças, principalmente a epilepsia. Somente há pouco tempo a ANVISA autorizou o uso desse medicamento no Brasil.
Enfim, se a morte é certa tudo vale a pena, mas com critério.

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *