23 de maio de 2022
Turismo

Monsaraz, um encanto!

Vista da vila amuralhada de Monsaraz. (Foto: Mônica Sayão)

Monsaraz é um vilarejo medieval alentejano que arrebata o coração assim que a gente transpõe suas muralhas.

Há um ano eu escrevia aqui sobre a vila de Marvão, quase na fronteira da Espanha, situada no Alto Alentejo. Clique aqui para ler sobre Marvão. Vale a pena!

Os dois vilarejos são espetaculares, com características similares, e, se me perguntarem qual acho mais encantador, não saberei responder. Quem sabe o leitor me ajuda na escolha?

Monsaraz está localizada quase na fronteira da Espanha, assim como Marvão, só que situada no Alentejo Central. É uma vila cercada de muralhas, sobre uma colina, com cerca de 100 habitantes intramuros e rodeada pela espetacular e característica planície alentejana.

De suas muralhas podemos avistar a Barragem/Lago de Alqueva, situada no Rio Guardiana e inaugurada em 2004, que é o maior reservatório artificial de água da Europa Ocidental. Aliás, o lago possui praia artificial e também é possível fazer passeios de barco nele.

A vila amuralhada com o castelo à direita, cercada pela planície alentejana, e com a enorme barragem de Algueva ao fundo.
(Foto: portugalconhecaomaisbelopaisdaeuropa.blogspot.com)

A vila é um retorno ao passado. Suas poucas ruas de pedra, com casas brancas, um castelo ao fundo, esporádicos visitantes, e um silêncio reconfortante, criam uma atmosfera única. Tudo isso cercado pelo verde das planícies, que podem ser espreitadas ao longo do caminhar pelo vilarejo. E com aquele céu azul do Alentejo, que não me pergunte o motivo, é o mais lindo que existe.

Espreitando a planície alentejana. (Foto: Mônica Sayão)

Um pouco da história:

Sua localização privilegiada no topo de uma colina, junto ao Rio Guardiana, e próxima à fronteira da Espanha (em tempos idos, fronteira de um reino espanhol), fez Monsaraz ser altamente cobiçada.

Os mouros lá se estabeleceram e foram necessárias duas incursões militares portuguesas, em 1167 e 1232, para expulsá-los de vez. Após a vitória de 1232, o rei D. Sancho II resolver doar a vila aos Templários (Ordem de Cristo), pela fundamental ajuda na vitória. Só de imaginar os templários circulando pela vila já dá uma sensação incrível!

O que fazer:

Há três estacionamentos no entorno da vila. Se conseguir, estacione o carro em um deles, bem próximo à principal porta de entrada das muralhas: a Porta da Vila. Ao entrar você estará no eixo principal que leva até o castelo, no final da rua.

A sugestão é caminhar, explorar e curtir a arquitetura e algumas lojinhas de artesanato local, até chegar ao castelo.

A Porta da Vila é o melhor acesso. (Foto: Mônica Sayão)
Rua principal que liga a Porta da Vila ao castelo. (Foto: Mônica Sayão)
Mais da estreita rua principal. (Foto: Mônica Sayão)
Os poucos carros certamente são dos poucos moradores. (Foto: Mônica Sayão)
Há lojinhas de artesanato super simpáticas. (Foto: impulsiveaddicton.com)

O Castelo de Monsaraz, classificado como Monumento Nacional, foi construído no século XIV. Dele descortina-se vistas da barragem, da planície ao redor e da própria vila, é só subir uns tantos degraus.

Que vista a partir do castelo! (Foto: Mônica Sayão)
E tem vista diferente para o outro lado. (Foto: Mônica Sayão)
Que é a vista de Monsaraz a partir do castelo. (Foto: Mônica Sayão)

Caminhe também ao longo da muralha, mas não sobre ela, não existe essa opção. A parte mais bonita da muralha é a paralela à rua principal. É uma delícia porque, novamente, de lá há vistas lindas do entorno.

Passeando pelas muralhas. (Foto: Mônica Sayão)

Como chegar:

Monsaraz leva uma vantagem sobre Marvão. É um passeio que pode ser um “bate e volta” a partir de Lisboa. De Lisboa a Monsaraz são cerca de 185km numa estrada excelente. Já fiz isso e deu muito certo. Nesse passeio pode ser conjugado uma visita a uma das vinícolas próximas, como a Herdade do Esporão, por exemplo.

O passeio a Monsaraz também pode ser conjugado com Évora, que fica uns 40min antes. Nesse caso o ideal é pernoitar. Nesse caso sugiro a visita à Évora primeiro e, à tarde, seguir para o hotel São Lourenço do Barrocal, que fica a 7k de Monsaraz.

O hotel/fazenda na realidade é uma propriedade rural espetacular, de 780 hectares, que está há 200 anos nas mãos de uma mesma família. Além de acomodações excelentes, produz seu próprio vinho e azeite. E tem gastronomia diferenciada. Pernoitando no São Lourenço do Barrocal, a visita à Monsaraz pode ser feita, com calma, no dia seguinte.

O charme do restaurante de São Lourenço do Barrocal. (Foto: tripadvisor.com.br)

Antes que eu me esqueça: não confundir Reguengos de Monsaraz com Monsaraz. Apesar de separadas por 15km, são duas localidades distintas.

Por último, gostaria de registrar que, em 2017, na eleição das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, Monsaraz ganhou como “Aldeia Monumento”.

É ótima ideia conferir!

“Arquiteta de formação e de ofício por muitos anos, desde 2007 resolveu mudar de profissão. Desde então trabalha com turismo, elaborando roteiros e acompanhando pequenos grupos ao exterior. Descobriu que essa é sua vocação maior.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.